- O preço dos medicamentos deve subir, em média, 2,8% no ano que vem, segundo dados do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo.

O número, considerado não tão expressivo pelo varejo, se dá em cima de uma alta perto de 3,5% neste ano. Altamente regulado, o aumento de preços de remédios é controlado pelo Comunicado CMED nº 21, que fixa o valor do Fator de Produtividade (Fator X), para o ano de 2018 em 0,75%. "Com base nele e em simulações do mercado, já se projeta que o aumento dos medicamentos para 2018 será de 2,8% em média", diz o Sindusfarma.

Para a Federação Brasileira das Redes Associativas de Farmácias (Febrafar), outra questão aberta é o destino do programa "Aqui tem farmácia popular", que pode acabar. "Os lojistas têm um desafio enorme pela frente, precisando se adaptar às características que o mercado impõe. O que se observa é que o varejo independente está encolhendo e não reagindo à altura. O que é muito preocupante. Assim, reforço que o caminho para essas lojas é o associativismo", orienta. / Da Redação