São Paulo - Ao oferecer investimentos menores para quem deseja abrir seu próprio negócio, as microfranquias - com aporte inicial inferior a R$ 80 mil - se destacaram no último balanço do franchising. No 1º semestre deste ano, o setor registrou um crescimento nominal de 7,9% em faturamento, frente ao mesmo período de 2015.

De acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), ao todo, as franquias foram responsáveis por movimentar cerca de R$ 68,8 bilhões entre os meses de janeiro e junho de 2016. No mesmo período do ano anterior, o montante calculado foi de R$ 63,8 bilhões.

Redes menores e ligadas ao segmento de esporte, saúde, beleza e bem-estar, como a loja de cosméticos Miss Pink, por exemplo, ajudaram a sustentar o resultado do setor por atrair empreendedores interessados em abrir seu próprio negócio com formatos menos custosos do ponto de vista operacional e aporte inicial mais acessível.

"Por conta do aumento do desemprego, registramos uma procura alta pela nossa franquia de pessoas que queriam investir suas rescisões ou fundos em operações mais baratas. Nosso modelo, que demanda um investimento inicial de R$ 25 mil, tem sido um sucesso nesse sentido e nos ajudado a crescer em plena crise", diz a CEO da Miss Pink, Maitê Pedroso.

Atualmente com 70 unidades em operação, a loja de cosméticos atrai consumidores por oferecer itens sofisticados por preços mais em conta, como maquiagens, batons, esmaltes e hidratantes.

Segundo a executiva, o fato da rede comercializar produtos desenvolvidos de forma mais cuidadosa, mas a preços acessíveis ajudou a empresa a crescer rapidamente. Se no ano passado a franquia faturou R$ 3 milhões, este ano a estimativa é ultrapassar os R$ 6 milhões e chegar a 100 unidades.

"Nossas vendas no primeiro semestre cresceram 180% frente ao mesmo período do ano passado. As novas aberturas de lojas ajudaram nesse resultado, mas como nossos produtos são baratos, os clientes acabam comprando. Mulheres, principalmente, já que elas nunca deixam de se arrumar para qualquer evento", conta.

Além de ter formato reduzido, a franquia Miss Pink é flexível, já que o franqueado pode carregar sua 'mini loja' a qualquer lugar. Apesar de o quiosque medir cerca de 2 metros quadrados, a loja é desmontável e cabe no porta-malas de um veículo tamanho hatch.

"Isso permitiu que os franqueados adaptassem seus formatos a qualquer lugar onde desejassem operar. Temos unidades em aeroportos, shoppings, feiras e até estações de metrô", explica Pedroso.

Prova de que as microfranquias estavam mais atrativas em relação a franquias de tamanho maior, a holdingSMZTO, empresa multissetorial de franquias no Brasil, relata que no início deste ano as movimentações por novas franquias estavam bastante frias, ao contrário do observado no segmento micro.

A companhia trabalha com lojas que demandam investimento inicial de R$ 300 mil, no caso da escola de idiomas LifeUsa. Entre maio e junho, no entanto, a SMZTO diz ter enxergado um reaquecimento da procura por franquias de grande porte, como é o caso da Espaçolaser, que demanda investimento inicial de R$ 850 mil.

Segmento em destaque

Dentre todos os segmentos do franchising, segundo o balanço divulgado pela ABF, Esporte, Saúde, Beleza e Bem-Estar foi o que mais cresceu no segundo trimestre deste ano, com avanço de 15% frente ao mesmo período do ano passado. Na sequência da lista, aparecem os segmentos de Acessórios Pessoais e Calçados (10%), Negócios, Serviços e Outros Varejos (10%), Lavanderia, Limpeza e Conservação (9%) e Serviços Automotivos (9%).

Para o diretor de inteligência de mercado da ABF, Cláudio Tieghi, o movimento de renegociação de aluguéis e reavaliação de custos feitos pelas franquias ajudou no resultado verificado no período.

"Notamos um grande movimento de renegociação de condições nos pontos comerciais, seja na redução de aluguéis ou na mudança e reformatação dos pontos. Esse movimento abriu portas para novos entrantes", relata Tieghi.

Expansão

Ainda de acordo com a ABF, no acumulado de 12 meses, o setor registrou um índice de expansão de 3,6% em unidades de franquia na comparação com o mesmo período de 2015. O avanço representa um incremento de 2.612 novas operações de franchising.