Rio de Janeiro - A Plezi Gourmet nasceu em 2015 de uma conjuntura econômica e do apreço pela cozinha. Guilherme Alves e Lauro Carvalho ficaram desempregados e viram a oportunidade de juntar o tino comercial de um com o talento gastronômico do outro.

Os engenheiros chamaram ainda a publicitária Priscilla Menezes (esposa de Guilherme) para dar início ao empreendimento. A ideia inicial era criar a linha de mix de temperos, até que um dia Lauro chegou em uma reunião com a manteiga temperada. Os três viram que o produto deveria ser o foco inicial da Plezi.

"Percebemos que a manteiga temperada, além de deliciosa, tinha muito mais apelo naquele momento e não tinha concorrentes", recorda Guilherme.

A produção começou na cozinha da residência do próprio Lauro. A linha de produtos incluía, também, sal rosa e azeite defumado. O gourmant fazia as iguarias e Guilherme e Priscilla vendiam para amigos e conhecidos, só no "boca a boca".

Até que surgiu a oportunidade de expor os produtos em uma feira gastronômica da Junta Local. "Participamos do evento com dez produtores e os produtos tiveram uma recepção muito boa. Ali, o negócio foi tomando vulto e ganhando corpo", diz o sócio da Plezi Gourmet.

A participação na Junta é considerada um divisor de águas por Guilherme. "A gente percebe muito o interesse das pessoas nos alimentos, principalmente em feiras, que é onde a gente dá a cara a tapa. Existe muita curiosidade de quem não nos conhece e em saber mais do produto, além de valorizarem o fato de que é o próprio dono quem está lá na frente do balcão", acredita.

Crescimento

A produção logo passou para a cozinha maior da casa de Guilherme e Priscilla. Só que por pouco tempo. Os sócios tiveram de alugar um apartamento para a atividade. Hoje, com 60 pontos de venda no Rio, 1.700 unidades mensais, planos de expansão para outros mercados, projetos para vender em São Paulo e também para atuar em bares, restaurantes e hotéis, eles estão à procura de um novo local que abrigue a produção.