- O deputado federal Ronaldo Caiado (DEM-GO), umas das maiores liderança da banca ruralista no Congresso Nacional, consagrou-se, em dezembro, como o "caçador de jabutis", principalmente quando são colocados pela Friboi na árvore da pauta do plenário. 



Durante a votação da Medida Provisória 656 em comissão mista, Caiado conseguiu retirar do texto item que estabelecia a federalização da inspeção de carnes e outros produtos de origem animal da Medida Provisória 656/2014, cujo tema principal é incentivos fiscais. A chamada "emenda Friboi" impediria a fiscalização de estados e municípios.



"Já existe uma regra consolidada no país para inspeção de carne e produtos de origem animal. Essa nova norma só beneficiaria o JBS que quer o monopólio da carne no País", disse o parlamentar, que também é o líder da minoria no Congresso Nacional.



O futuro senador também brecou outra investida. Foi a emenda que iria causar forte impacto no setor de TV por assinatura: a obrigatoriedade de carregamento de dois canais voltados para o agronegócio. O temor é que outros setores da economia também vislumbrem essa brecha para emplacar canais próprios.



Com uma forte pressão do PMDB, liderado pelo deputado Eduardo Cunha (RJ), a Câmara dos Deputados começou a votar o texto da Medida Provisória com todas as emendas, e a fatura parecia definida quando outros partidos da base, incluindo o próprio PT e o PC do B, apoiaram a aprovação integral. Caiado virou o jogo e atacou duramente a inclusão de uma mudança nas regras de TV por assinatura. PT e o PC do B reviram as suas posições e votaram pela exclusão da emenda. Com isso, Eduardo Cunha e o PMDB ficaram isolados.