São Paulo - A fabricante de tratores , microtratores e implementos agrícolas Agritech prevê alta de 15% nas vendas neste e no próximo ano, depois de negociar 1,6 mil unidades em 2016, disse o gerente de vendas da empresa, Nelson Watanabe.

Segundo ele, o crescimento deve ser apoiado no tripé: fidelização, serviços e benefícios. "Nosso foco é o de fidelizar os clientes, buscando oferecer sempre um bom pacote de benefícios, disponibilizando assistência técnica de qualidade e peças de reposição", explica o executivo.

O modelo parece estar funcionando. Entre janeiro e abril, as vendas a Agritech aumentaram 27% em relação ao primeiro quadrimestre de 2016, totalizando 540 tratores, segundo Watanabe.

Ele conta que um dos diferenciais a empresa é que, hoje, todos os modelos contam com cabines. "Acreditamos que é uma tendência, pois nossos tratores são muitos usados em pulverização", garante ele, acrescentando que a versão cabinada foi desenvolvida especialmente para garantir maior segurança e conforto nas operações.

"A versão cabinada foi desenvolvida conforme exigências das normas regulatórias vigentes no mercado brasileiro. Trata-se de um trator que oferece soluções que antes somente os modelos de maior porte e potência poderiam oferecer", comenta ao DCI.

Agricultura familiar

Nelson Watanabe observa ainda que os agricultores familiares também têm buscado o avanço tecnológico, como caixa de transmissão sincronizada. "Mas ainda a maioria prefere a confiabilidade e robustez dos produtos", avalia.

O segmento de agricultura familiar é o maior nicho da Agritech que, segundo o executivo, oferece consultoria especializada para avaliar qual o modelo de máquina mais indicado para o tipo de cultura e solo de cada produtor.

Na visão dele, porém, falta apoio aos pequenos produtores, especialmente para aqueles que ainda não possuem a mecanização e "fazem todo o trabalho na foice e na enxada".

"Fabricamos o cultivador motorizado que seria o início da mecanização e temos nos deparado com muitas dificuldades para obter acesso ao crédito nessa modalidade. Há necessidade de uma política pública que contemple uma assistência técnica atuante, buscando a viabilização desta classe sofrida dos agricultores que estão na base da pirâmide", afirma Watanabe.

Outra parcela importante do negócio está focada na cafeicultura, entretanto, com grandes produtores. "Estes precisam de tratores pequenos, compactos para atender a demanda da cultura", destaca o gerente de vendas.