SÃO PAULO - Torrefadores de café da Europa adiaram grandes compras de grãos brasileiros, com esperanças de que a crescente colheita do maior produtor mundial de café gere uma maior queda dos preços, disseram traders. "Como a colheita brasileira entra em andamento em questão de dias, torrefadores esperam que a pressão de venda acumule no mercado global nas próximas duas semanas", disse um trader do mercado físico. "Alguns compradores acham que a queda dos futuros que vimos esta semana é apenas o começo." No ano passado, a Europa respondeu por 52% das exportações de café brasileiro. Do total de 33,45 milhões de sacas embarcadas, 17,4 milhões de sacas foram para países europeus.



Os futuros do café arábica caíram fortemente nesta semana, atingindo seus níveis mais baixos desde julho de 2010 na sexta-feira, com ampla fraqueza das commodities acelerando as tendências de baixa, junto com a oferta abundante de café. "O colapso no mercado de futuros arábica esta semana está em grande parte ligado às quedas das commodities, causadas pela crise da dívida da zona do euro e torrefadores da UE preocupados com o poder do consumidor de gastar em vários países da zona euro", disse outro trader. "Eu não vi muitas compras de oportunidade de torrefadores com os futuros em queda, eles estão extremamente cautelosos sobre elevar os níveis de estoques com o clima incerto da economia." A fraqueza das commodities vem à medida que o Brasil deve começar a colher sua safra, estimada para ser farta.



Mas os diferenciais de preço brasileiros aumentaram esta semana, em que vendedores brasileiros tomam uma dura linha de preço, buscando compensação pela queda dos futuros.