Produção de grãos no Semiárido nordestino diminui 80% por causa da seca

Agronegócios
patrocínio:

19/08/2012 - 16h43 | Atualizado em 19/08/2012 - 16h45 Comentarios nesta notícia: 0

Produção de grãos no Semiárido nordestino diminui 80% por causa da seca

BRASÍLIA - Com os impactos climáticos, a participação do Nordeste na produção nacional de grãos caiu, registrando 7,5%

Agência Brasil

BRASÍLIA - A seca histórica que afeta o Semiárido nordestino provocou impactos diretos na produção agrícola da região. De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a quebra na produção de grãos no Semiárido foi superior a 80%. Considerando toda a Região Nordeste, os prejuízos ficaram em torno de 22%, mas que foram amenizados pelos bons resultados das culturas  de soja.

Com os impactos climáticos, a participação do Nordeste na produção nacional de grãos caiu, registrando 7,5%. “Seria bom que não tivesse perda no Nordeste. Em safras normais, como a do ano passado, a participação da região foi em torno de 10%”, disse Eledon Oliveira, técnico de avaliação de safra da Conab.

Segundo ele, a produção nacional só alcançou os patamares recentemente divulgados pelo governo com o recorde do milho safrinha – plantado entre janeiro e março - que compensou as perdas, com aumento de 22,9% da área e de 71,7% da produção, ganho de 16 milhões de toneladas em relação ao resultado anterior.

“A situação no Nordeste ainda preocupa porque estão sem produto e sem água. Estive no Ceará em maio e a situação é terrível. Os rios secaram, os rebanhos morrem de sede e fome e os preços estão altos com a falta de produtos”, declarou.

Apenas no Rio Grande do Norte, apesar da produção de feijão ser pequena, a quebra foi 89,6%, passando dos 33,7 mil toneladas para 3,5 mil toneladas nesta safra. Os produtores da Paraíba também perderam 89% do feijão e sentiram a diminuição da produção que, na última safra, chegou a 44,7 mil toneladas, e, nesta foi 4,9 mil toneladas. No Ceará, a queda do feijão chegou a 87,3% - de 259,6 mil toneladas para 32,9 mil toneladas.

A quebra da produção de milho no Nordeste foi 30%. Enquanto no ano passado, os produtores nordestinos contabilizaram uma produção de 6,1 milhões de toneladas, nesta safra, o volume atingiu 4,3 milhões de toneladas. No Rio Grande do Norte, Ceará e na Paraíba a queda na produção foi superior a 91%.

Além dos impactos sobre o solo e a produção, as temperaturas elevadas e a baixa umidade contribuíram para o registro de quase 50 mil focos de incêndio, ou seja, 65% mais ocorrências do que as acumuladas neste período, no ano passado. Apenas nos últimos quatro dias, foram registrados mais de 5 mil focos de incêndio no território nacional.

As imagens captadas pelo satélite usado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostram que o Maranhão concentra o maior volume de queimadas, com 9,6 mil mil ocorrências. Em menos de uma semana, os registros de incêndio quase dobraram em Mato Grosso e no Pará, onde foram identificados mais de 2,2 mil casos só no mês de agosto.



Seu e-mail não será divulgado.
Leia nossa política de privacidade.


Compartilhe sua opinião no Portal DCI e certifique-se que seu comentário está de acordo as Termos de uso do site.

Cadernos Especiais

Micro, Pequenas e Médias Empresas

Cultura & Entretenimento

DCI Entrevista

Versão eletrônica (01/09/2014)

Assine o jornal impresso e tenha acesso total a versão eletrônica. Conteúdo exclusivo para assinantes. Clique aqui e assine!

DCI no iPad, iPhone e Android

app-apple-store app-google-play
Veja mais: TVB Rádio Nova Brasil FM Rádio Central AM
Uma empresa das Organizações Sol Panamby

Fazer login no DCI






Não possui login? Faça seu cadastro gratuito!

Problemas para acessar?