Cidades
30/03/2011 - 00h00

Arrecadação de ISS cresce na Região Sudeste do País e atinge 3,9%

são pauloCom uma arrecadação de R$ 16,95 bilhões em 2009, o sudeste responde por 66,6% do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) recolhido em todo o País. A elevação anual foi de 3,9% mesmo diante da situação de desaceleração nos ritmos de expansão do desempenho da região. Pelo sétimo ano consecutivo tem-se verificado esse crescimento na arrecadação do ISS no País, que na soma de todas as regiões atingiu a marca de R$ 25,44 bilhões, em 2009.Os dados são do anuário Multi Cidades - Finanças dos Municípios do Brasil, publicado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que mostram que o município paulista apresentou ligeiro crescimento de 1,4%. Em contrapartida, o Rio de Janeiro obteve o melhor desempenho entre as capitais da região, com aumento de 7,8%. Foi moderado o avanço em Belo Horizonte, que registrou 4,3%. As capitais da Região Sudeste concentraram mais da metade (56,2%) da receita de ISS. São Paulo respondeu sozinha por 35,1% do total da região. Já o Rio de Janeiro absorveu 16,3%.O Município de Vitória exibiu o maior ISS per capita (R$ 725,10), valor que superou a média em mais de cinco vezes. Segundo o prefeito da cidade e presidente da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), João Coser, este tributo reduz a dependência financeira da cidade com o estado e a União. O ISS per capita de São Paulo foi de 539,48.Já o Rio de Janeiro, que tem o ISS a base da arrecadação própria, o imposto representa 55% do total da receita tributária.Segundo a secretária de Fazenda da capital carioca, Eduarda La Roque, o ISS da cidade foi impulsionado pelos setores de transportes, construção civil, petróleo e gás. Além disso, contribuíram decisivamente para os bons resultados as ações fiscais realizadas, somadas ao programa de Cadastro de Empresas Prestadoras de Outros Municípios (Cepom). Importante fonte de receita para as cidades brasileiras, em especial para aquelas com mais de 500 mil habitantes, o ISS representa, em média, 16,7% da receita total.Em média, os municípios brasileiros arrecadaram R$ 134,69 por habitante no ano de 2009. As quatro primeiras posições foram ocupadas por São Francisco do Conde-BA (R$ 1.730,22), Anchieta-ES (1.719,31), Jeceaba-MG (R$ 1.649,97) e Barueri-SP (R$ 1.628,70). Além desses municípios, outras seis localidades obtiveram valores per capita acima de R$ 1 mil.

Zulmira Felicio

são pauloCom uma arrecadação de R$ 16,95 bilhões em 2009, o sudeste responde por 66,6% do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) recolhido em todo o País. A elevação anual foi de 3,9% mesmo diante da situação de desaceleração nos ritmos de expansão do desempenho da região. - Pelo sétimo ano consecutivo tem-se verificado esse crescimento na arrecadação do ISS no País, que na soma de todas as regiões atingiu a marca de R$ 25,44 bilhões, em 2009.

Os dados são do anuário Multi Cidades - Finanças dos Municípios do Brasil, publicado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que mostram que o município paulista apresentou ligeiro crescimento de 1,4%. Em contrapartida, o Rio de Janeiro obteve o melhor desempenho entre as capitais da região, com aumento de 7,8%. Foi moderado o avanço em Belo Horizonte, que registrou 4,3%.

As capitais da Região Sudeste concentraram mais da metade (56,2%) da receita de ISS. São Paulo respondeu sozinha por 35,1% do total da região. Já o Rio de Janeiro absorveu 16,3%.

O Município de Vitória exibiu o maior ISS per capita (R$ 725,10), valor que superou a média em mais de cinco vezes. Segundo o prefeito da cidade e presidente da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), João Coser, este tributo reduz a dependência financeira da cidade com o estado e a União. O ISS per capita de São Paulo foi de 539,48.

Já o Rio de Janeiro, que tem o ISS a base da arrecadação própria, o imposto representa 55% do total da receita tributária.

Segundo a secretária de Fazenda da capital carioca, Eduarda La Roque, o ISS da cidade foi impulsionado pelos setores de transportes, construção civil, petróleo e gás. Além disso, contribuíram decisivamente para os bons resultados as ações fiscais realizadas, somadas ao programa de Cadastro de Empresas Prestadoras de Outros Municípios (Cepom).

Importante fonte de receita para as cidades brasileiras, em especial para aquelas com mais de 500 mil habitantes, o ISS representa, em média, 16,7% da receita total.

Em média, os municípios brasileiros arrecadaram R$ 134,69 por habitante no ano de 2009. As quatro primeiras posições foram ocupadas por São Francisco do Conde-BA (R$ 1.730,22), Anchieta-ES (1.719,31), Jeceaba-MG (R$ 1.649,97) e Barueri-SP (R$ 1.628,70). Além desses municípios, outras seis localidades obtiveram valores per capita acima de R$ 1 mil.

Assuntos relacionados:

política econômica
Imprimir
Publicidade

Caderno Especial

Versão digital (21/10/2014)

Para assinantes Assine o jornal impresso e tenha acesso total à versão digital.
Versão digital do DCI
Clique e assine hoje mesmo
Publicidade

Nós curtimos

TVB Nova Brasil FM Rádio Central AM
Uma empresa das Organizações Sol Panamby
© 2014. DCI Diário Comércio Indústria & Serviços. Todos os direitos reservados.