São Paulo - A Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente promove amanhã (15), por meio da Universidade Aberta do Meio Ambiente e Cultura da Paz, o 7º encontro do "Ciclo de Diálogos - Água e Metrópole", que discutirá cases ambientais voltados para controle e prevenção de enchentes.

Nesta edição, do mês de agosto, será discutido o caso do Parque Salburua, em Vitoria-Gasteiz, na Espanha, que passou por transformações ao longo dos últimos dois séculos, quando teve seu lago drenado, em 1857, ação seguida de recuperação de ecossistema, ao longo das últimas décadas. O local é responsável por ajudar no controle natural de enchentes.

Com base no caso do parque espanhol, serão discutidas e avaliadas ações realizadas na capital paulista, apontando falhas e consequências, além de trazer um paralelo com projetos que são aplicados no exterior. "O objetivo não é avaliar apenas o que é feito na cidade, mas apresentar possibilidades, ressaltar e manter o que estamos fazendo. Vamos discutir novas ações e reconhecer as boas em curso", explica Rose Inojosa, diretora da UMAPAZ.

Gestão Ambiental

Participa como convidada do evento a mestre pela FAU/Mackenzie e especialista em Arquitetura da Paisagem pelo SENAC, Iaci Morata Martines, que fará uma comparação com os rumos dos projetos aplicados na capital e o que poderia ser melhorado.

Rose explica que a atual gestão paulistana tem realizado ações que são essenciais para o controle de enchentes, como o programa Córrego Limpo, coordenado pela SVMA, que tem como a limpeza e despoluição dos córregos da capital paulista, e a instalação de parques lineares nesses córregos, que permitem o rio ou córrego aumentar seu fluxo sem qualquer problema. "Considero que os parques lineares e o programa Córrego Limpo são extremamente importantes para a cidade. Um dos benefícios é manter o ciclo biológico desses locais sem interferir na vida da população", explica a diretora.

Adesão Popular

Rose explica que apesar das ações voltadas para o meio ambiente, a participação popular é essencial para manter tanto a saúde ambiental quanto a saúde das pessoas. "Não é só varrição e limpeza, mas as pessoas assumirem a importância de praças e outros lugares da cidade", diz.

Ela ressalta, inclusive, que o evento é aberto para participação popular, tendo entre seus objetivos informar a população sobre a importância dessas ações.

Modernização

O prefeito Doria, no último mês, aprovou o Projeto de Lei 586/15, do vereador Jair Tatto (PT), que autoriza a implantação de "Bocas de Lobo Inteligentes" na cidade, para prevenir e minimizar os problemas causados pelas chuvas.

No ano passado, a Inova, uma das responsáveis pela limpeza urbana, já havia implantado 110 deles para realização de testes.

Segundo dados da Prefeitura, a cidade possui 400 mil bueiros e 287 pontos de alagamento, sendo 167 deles na parte noroeste.

Segundo a Inova, o serviço reduz o tempo de limpeza desses locais em 33%, de uma média de 17 horas para apenas 6 horas.