SÃO PAULO - Os hospitais da rede pública estadual internam, em média, duas pessoas a cada dia com diagnóstico de lúpus eritematoso. É o que aponta um levantamento realizado em 2012, pela Secretaria da Saúde. Foram 637 internações da doença autoimune, que ainda não possui causa conhecida e não tem cura. O lúpus atinge o sistema imunológico do doente, que passa a produzir anticorpos que atacam e provocam inflamação de células e tecidos saudáveis do corpo. Pele, rins e o sistema nervoso central são as partes mais afetadas pelo lúpus. O tratamento inclui o uso de protetor solar, anti-inflamatórios, corticoides e imunossupressores, mas os procedimentos variam de acordo com cada indivíduo.