A Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade - Investe São Paulo, fechou o ano de 2017 com saldo positivo. Balanço divulgado pelo órgão aponta que 32 empresas anunciaram investimentos ao longo do ano passado contra 26 em 2016.

No total, a soma de investimentos foi de R$ 3,6 bilhões, com a geração de 3.615 empregos para o estado em 2017, contra R$ 3,2 bilhões e 4.844 empregos em 2016. O número de projetos que ainda está em atendimento, em algum estágio, pela instituição e que podem ser anunciados neste ano, também superou as expectativas. Foram 182 projetos em 2017, contra 177 em 2016. Segundo o diretor de Negócios da Investe São Paulo, Sérgio Costa, o destaque do ano passado foram as empresas estrangeiras que decidiram investir e instalar unidades no estado.

“Das empresas que tiveram projetos concretizados, 76% foram estrangeiras e 25% foram brasileiras. Isso já aconteceu em outros anos, mas não nessa proporção. O investidor estrangeiro viu segurança para investir, mesmo com um cenário não tão atraente. O estado se mostrou como o maior mercado do Brasil, com alto poder aquisitivo”, afirma.

Ele explica que tal resultado não é sinal de enfraquecimento das empresas locais, mas sim, um reflexo dos anos de 2015 e 2016, e de uma expertise brasileira. “Esses foram os anos em que as empresas brasileiras investiram mais, pois aproveitaram um momento de queda no mercado para melhorar tecnologia e estarem prontas para concorrer com as estrangeiras nos anos seguintes. Elas aproveitaram a queda no mercado interno e começaram a exportar mais”. Em 2016 foram 26 projetos e destes, 50% foram de estrangeiras.

Costa deixa claro quais foram os fatores que mais colaboraram para a atração das estrangeiras. “Existem alguns motivos como a logística daqui, por conta das melhores estradas do país, do aeroporto internacional e Porto; mão de obra qualificada; um ambiente institucional seguro para as empresas; e uma cadeia de fornecimento bem consolidada”.

Municípios e setores

Para ele, o número crescente de projetos estrangeiros que foram atendidos deve-se também ao trabalho de relacionamentos com entidades diplomáticas, câmaras de comércio e associações empresariais.

Dentre os 645 municípios do estado atendidos pela agência, Costa aponta os que mais se destacaram no recebimento de investimentos em 2017. “Treinamos esses municípios para reter esses investimentos e empresas, como Presidente Bernardes onde levamos o frigorífico Better Beef, Jundiaí, Sorocaba, Itupeva e Itatiba, que atraíram dois importantes investimentos no setor de cosméticos, entre outras cidades.”

Para os setores, ele destaca alguns que mais se sobressaíram: “de cosméticos; metal mecânico; alimentos processados; fármacos, que foi muito importante em Ribeirão Preto e região de Campinas, Sorocaba e Jundiaí; alimentos e bebidas; aeroespacial; e centros de pesquisa e desenvolvimento”.

Para este ano, ele destaca que a expectativa de investimentos é positiva tanto para as estrangeiras, como para as locais. “Vamos trabalhar muito para aumentar os resultados. O ano anterior confirmou uma tendência e espero que ela continue, uma vez que muitas empresas vêm pela visão estratégica ou pela ‘inveja’ por termos trazido a concorrência.”