São Paulo - O prefeito João Doria (PSDB) lançou, no domingo (8), o projeto Alimento para Todos. A proposta do Executivo atende diretrizes do PL 550/16, do vereador Gilberto Natalini (PV), que estabelece a Política Municipal de Erradicação da Fome e de Promoção da Função Social dos Alimentos (PMEFSA).

O projeto é fruto de uma parceria entre a Prefeitura de São Paulo e a Plataforma Sinergia e prevê a destinação de todos os alimentos dentro do vencimento para a produção do "Allimento", uma massa nutritiva, ou farinata, feita a partir de outros alimentos e com validade de um ano.

"Quando o estabelecimento tem um lote que vai vencer em 30 dias, é proibido distribuir. Ao invés de incinerar o produto, ele pode ser transformado em farinata", explica Natalini.

A Plataforma Sinergia também fica responsável por realizar workshops para conscientizar e viabilizar novas parcerias para combater o desperdício .

Ele pode ser adicionado às refeições ou servir para fabricar outros alimentos, como pães, bolos e até sopas. Também será distribuído em equipamentos sociais da prefeitura, para a população em situação de insegurança alimentar e incluído em cestas básicas distribuídas pelos Centros de Referência de Assistência.

Apesar do PL 550/2016, que também foi sancionado na data, prever a possibilidade de incentivos fiscais aos que aderirem à PMEFSA, Natalini afirma que é mais econômico aderir ao projeto Alimento para Todos do que realizar o descarte regular. "O gasto com a doação é menor do que é gasto para incinerar um lote de alimentos a vencer. O projeto aumenta a arrecadação e reduz o desperdício."