São Paulo - A Prefeitura de São Paulo ainda não definiu quais córregos serão beneficiados na retomada do programa Córrego Limpo, mas o secretário do Verde e Meio Ambiente, Gilberto Natalini, adiantou que a os trabalhos devem começar nos córregos menores e sem reincidência de lixo.

Segundo Natalini, a retomada do programa deve começar com ações de reflorestamento, plantio de árvores e criação de parques lineares nestes córregos para garantir a preservação dos leitos. "Neste recomeço é importante a implantação e ampliação de área verde nos córregos já recuperados, pois a arborização ajuda sua conservação", explica o secretário do Meio Ambiente.

De acordo com a Companhia de Saneamento de Água e Esgoto do Estado de São Paulo (Sabesp), nos próximos dias um grupo técnico com representantes da prefeitura e da companhia se reunirá para planejar as ações do programa, que beneficiará os córregos da cidade até 2018.

"O nosso objetivo (prefeitura e secretarias) não é, inicialmente, recuperar um grande número de córregos, mas recomeçar o programa que teve muito sucesso e beneficiou grande parte da população paulista", diz Natalini.

De acordo com a Prefeitura, embora os córregos não abasteçam diretamente a população, eles impactam nas condições de saúde e saneamento. Durante as enchentes, por exemplo, as águas de chuva se misturam com os esgotos não tratados e o lixo, gerando proliferação de insetos e doenças, mau cheiro, e outros problemas. As fortes chuvas, enchentes e presença de mosquitos vetores de doenças na cidade, também estão entre os fortes motivos para a retomada do programa, que foi iniciado em 2007 e encerrado em 2015.

Resultado

O Córrego Limpo é realizado em parceria com o Governo do Estado, por meio da Sabesp. Segundo a Companhia, nos 9 anos de programa foram despoluídos 148 córregos, permitindo a retirada de 1.500 litros de esgoto por segundo dos corpos d'água. A Sabesp informa, em nota, que "os trabalhos beneficiaram 2,2 milhões de habitantes em uma área de 200 km²."