SÃO PAULO - Com o avanço no uso de aparelhos móveis como smartphones e tablets, se multiplicam as aplicações desenvolvidas com a finalidade de executar por meio desses aparelhos funcionalidades que ajudam a gestão do negócio da empresa.  Envio de email, solicitação e aprovação de orçamentos, análises de planilha de custo, consulta de estoques, videoconferência são algumas das muitas funções de que se pode dispor em qualquer lugar, apenas com o uso de um celular. E a tendência é de crescimento.



"Em cinco anos quase ninguém vai usar o computador, são os dispositivos móveis que vão predominar", acredita o sócio diretor da TI Educacional, Ernesto Haberkorn. Por isso mesmo, os sistemas integrados de gestão oferecem essa possibilidade. No caso do ERPFlex, da TI Educacional, é possível ter acesso a algumas das informações como  balanço, aprovação de pedidos, painel de gestão, esclarece Haberkorn.



Uma das principais demandas das empresas quando a questão é mobilidade é a de aplicativos que permitam melhorar o relacionamento com o cliente, informa o CEO da Mobile2you, Caio Bretones.  Não à toa. Bretones diz que as pessoas consultam o celular entre 150 e 180 vezes por dia, frequência que começa a destacar um padrão para o desenho de sites, no qual se leva primeiro em consideração a visibilidade da página no smartphone. 



Para garantir uma experiência de sucesso para o usuário, e para a empresa, Bretones recomenda atenção ao desenvolvimento. "É importante ter um design alinhado com a funcionalidade do aplicativo, simples, funcional, que o usuário possa achar o que precisa de diversas maneiras, rápida e intuitiva", diz.



O executivo acredita que essa comunicação vai avançar expressivamente com o uso da tecnologia iBeacon, que utiliza pequenos dispositivos para identificar a aproximação de aparelhos celulares que estejam com o Bluetooth ligados, permitindo interagir com eles. Dessa forma, em uma loja, por exemplo, o dispositivo pode ser colocado perto de algum produto e cada vez que o cliente se aproximar poderá receber informações sobre os produtos e promoções, além de ofertas de outros artigos relacionados ao perfil do usuário daquele celular.  



Uma vez que o cliente baixe o aplicativo da loja, o estabelecimento tem acesso a diferentes dados sobre ele podendo desencadear ações mais interativas e invasivas, diz Bretones.



"Trata-se de um marketing mais assertivo", afirma o gerente de marketing digital da LaMéthode, filial da francesa Octiplex, Frederico Cappellato. O executivo lista uma série de outros usos para a tecnologia, como identificar uma vaga para quem chega em um estacionamento, receber o aviso de uma promoção ao passar em frente a uma cafeteria  e garantir maior segurança no trabalho. A segurança do trabalho é uma das áreas nas quais a tecnologia tende a se destacar, acredita Cappellato. Por meio dela, é possível, por exemplo, registrar  se todas as salas de uma empresa foram checadas ao final do expediente e enviar relatórios para o responsável por gerenciar o processo, identificar circulação de pessoas em ambientes restritos ou ainda dar maior segurança a funcionários que trabalham com produtos perigosos. 



"Se uma pessoa estiver sozinha em um laboratório fazendo uma experiência e desmaiar, o dispositivo identifica que a pessoa está no chão, e avisa uma central ou até mesmo o bombeiro em caso de não solução do problema", exemplifica Cappellato.  A Octiplex instalou sua filial no Brasil em 2013, atenta ao potencial de expansão do mercado brasileiro de tecnologia e comunicação. "O empresário brasileiro é aberto a novas tecnologias, curioso, ousado", afirma o executivo.



Outra empresa europeia que estendeu sua atuação ao mercado brasileiro foi a espanhola Cumberland Solutions, que passou a oferecer no Brasil o aplicativo de economia telefônica para celulares Weplan.  O aplicativo analisa o perfil de consumo do usuário, voz e dados, com a proposta de apresentar o melhor plano oferecido pelas operadoras para esse usuário. 



O Weplan foi desenvolvido para os sistemas Android e iOS  e traz recursos que permitem acompanhar o percentual de utilização dos planos, valor das chamadas, entre outros.  A empresa planeja oferecer também serviços específicos para o mercado corporativo, como um portal na web que permita que a companhia acompanhe, em tempo real, o consumo global de telefonia celular e o de cada funcionário, emitindo alertas por correio eletrônico quando o plano estiver se esgotando, informa o CEO, Pablo Reaño. 



Inicialmente os serviços serão implantados na Europa, diz Reaño.