SÃO PAULO - Tecnologias apresentadas na 21ª edição da Agrishow fornecem aos produtores rurais novos instrumentos para incrementar a qualidade e o volume da produção agrícola, sem que seja necessário aumentar drasticamente custos ou mão de obra.



Desenvolvidos inicialmente como arma de espionagem militar, os drones ou Vants (veículos aéreos não tripulados) começam a ganhar espaço como ferramenta agrícola no Brasil. 



De olho nesta tendência, a Embrapa desenvolveu um software capaz de analisar informações colhidas por estes equipamentos. Segundo o pesquisador Lúcio André de Castro Jorge, da Embrapa Instrumentação, já são vendidos modelos de drones no País equipados com câmeras básicas que custam a partir de R$ 5 mil. 



"A ideia é usar o treinamento para desmistificar a tecnologia. O diferencial do Vant é que ele pode ver além. Com uma câmera que apenas simula a capacidade do olho humano ou com outra mais elaborada, com espectro infravermelho que detecta o estresse hídrico da planta, ele pode identificar uma série de dados que são fundamentais para o desenvolvimento do cultivo", afirma o pesquisador da Embrapa.



Para fazer a leitura dos dados, basta baixar o software - a versão gratuita, simpli-ficada, ou uma paga, mais sofisticada, que pode custar de R$ 2 mil a R$ 10 mil - e as imagens captadas pelo drone. 



"É uma grande revolução. Esperamos que com esse equipamento as dificuldades de mapeamento sejam reduzidas, que ele seja um grande aliado para que o produtor possa aplicar conceitos de agricultura de precisão", diz Castro Jorge. 



Para o coordenador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), Orlando Melo de Castro, melhorar o acesso dos produtores rurais a canais de informação é tão importante quanto investir em novos equipamentos. "Temos pro-dutores do Brasil inteiro que chegam ávidos por informação. Eles discutem arroz, feijão, trigo, variedades, o que tem e o que produz. Nossos pesquisadores estão sempre disponíveis para passar informações, indicar onde encontram as sementes", diz.