SÃO PAULO -  A expansão contínua do mercado de cartões, de aproximadamente 20% ao ano, tem atraído cada vez mais empresas para o segmento, que até julho de 2012 soma R$ 435,421 bilhões em faturamento. A aposta dessa vez é do grupo inglês CPP, que pela primeira vez aposta na América do Sul com R$ 12 milhões em investimentos para o desenvolvimento da plataforma tecnológica e contratação de funcionários para prestação de serviços de proteção e assistência para meios de pagamentos.



César Lins de Medeiros, diretor geral da CPP Brasil, detalha que a expectativa está em começar a obter retorno dos investimentos em três anos. "A escolha do Brasil foi feita com o crescimento do mercado de cartões e amadurecimento da população para os serviços de assistência."



Medeiros ainda revela que a projeção é de atingir dois milhões de clientes nos próximos 36 meses. "Teremos atuação em todo o País, mas com sede operacional em Alphaville e sede comercial em São Paulo."



Os produtos a serem desenvolvidos pelo CPP consistem em serviços de assistência oferecidos para os parceiros - emissores de cartões, bancos, varejistas e distribuidores - que oferecem a clientes finais.



O primeiro, focado para o público A, B e C, envolve, em caso de roubo, o cancelamento e a solicitação de cartões substitutos, adiantamento em dinheiro em casos emergenciais, substituição de chaves da residência, serviços de ajuda à recuperação de itens pessoais, registro de documentos valiosos, bloqueio de aparelho celular, etc. Já o segundo, para as classes B, C e D, contempla a proteção de cartões, um "motorista amigo", cobertura de valor para repor a carteira perdida ou roubada e título de capitalização.



Segundo o diretor, já há uma parceria fechada com instituição financeira, que ainda não pode ser revelada, e parcerias internacionais com as bandeiras Visa, MasterCard, American Express e Diners. "Se houver um cartão que não há parceria conosco, fazemos na hora uma conferência para o problema ser resolvido com o cliente", explica Medeiros.



Presente em 16 países, a CPP opera com 350 parceiros de negócios, como Santander, HSBC e Grupo RBS. Em 2010, o faturamento global chegou a 325,800 milhões de euros e em 2011 os ganhos chegaram a 346,100 milhões de euros.