SÃO PAULO

Uma empresa em Manaus, duas em Macaé, no Estado do Rio de Janeiro, e outra no sul do País. Essa é uma amostra geográfica das empresas que, neste momento, estão entre as que contrataram a Quist Investimentos para realizar uma reestruturação financeira, ou Recuperação Judicial.

No momento, são seis empresas que recebem consultoria do banco de investimento para recuperarem sua saúde financeira, como conta o sócio diretor da Quist, Douglas Duek. "Somente nessa área de recuperação nós já tivemos 50 clientes. Temos como foco principal companhias que faturam entre R$ 30 milhões e R$ 300 milhões por ano", conta.

Duek afirma que a grande maioria dos empresários desse porte sequer sabe que podem ter acesso a esse tipo de plano. "Nosso marketing é por indicação. E quando chegamos na empresa e mostramos um plano de recuperação, eles geralmente se assustam, dizem, "onde eu assino?". A maioria não sabe sequer onde buscar essa ajuda".

A Quist atua no mercado desde 2008, e Duek, que tem somente 32 anos, mas 15 de atuação no mercado financeiro, afirma que, geralmente, o índice de sucesso dos projetos de reestruturação é muito alto. "Gira em torno de 80% a 85% a proporção de empresas que conseguem se recuperar após nos procurarem".

Ele afirma que a demanda por recuperação aumentou muito nos últimos anos, inclusive em empresas que tinham um cenário seguro. "Nesse momento, estamos com duas empresas de Macaé, que fazem parte da cadeia produtiva da Petrobras. Estão sofrendo para receber de seus clientes, que enfrentam dificuldades com a Petrobras". O banco fatura cerca de R$ 10 milhões por ano, e também busca investidores no exterior para as empresas.