São Paulo - O consumo de energia elétrica registrou um discreto aumento nos cinco primeiros meses de 2017 sobre igual período do ano passado, segundo o InfoMercado Mensal divulgado ontem pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

De acordo com o documento, entre janeiro e maio deste ano, os brasileiros consumiram 63.521 megawatt médios, alta de 1% em relação ao mesmo intervalo de 2016, quando foram consumidos 62.899 MW médios.

A análise por ambiente de contratação segue mostrando o crescimento do consumo, influenciado pela migração dos consumidores vindos do mercado regulado. No mercado livre (Ambiente de Contratação Livre - ACL), no qual consumidores compram energia diretamente dos fornecedores, o consumo somou 18 083 MW médios entre janeiro e maio deste ano, 22% maior que os 14.838 MW médios anotados em igual etapa do ano passado.

Já no Ambiente de Contratação Regulada (ACR), no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras de energia elétrica, o consumo total nos cinco primeiros meses foi de 45.437 MW médios, 5,5% menor que os 48.061 MW médios registrados durante os me-ses de janeiro e maio de 2017.

A CCEE destaca que os números indicam o aumento da representatividade do mercado livre em relação ao consumo total no País. Em 2016, o ACL era responsável por 23,6% no consumo, montante que atingiu 30% nos cinco primeiros meses do ano.

Ao longo do ano passado, a Câmara de Comercialização registrou 2 236 empresas que optaram pela migração para o mercado livre de energia. Em 2017, já foram 895 migrações, sendo 817 consumidores especiais e 78 consumidores livres.

O governo discute atualmente uma mudança regulatória que permitiria que um maior número de consumidores atendidos atualmente obrigatoriamente pelas distribuidoras possa migrar para o mercado livre. Se efetivada, essa alteração provavelmente levará a uma maior representatividade deste segmento ao longo da próxima década.