Indústria
17/07/2017 - 17h37

Produção da Petrobras no semestre fica acima da meta do ano e pode superar 2016

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO - A produção de petróleo da Petrobras no acumulado dos primeiros seis meses deste ano no Brasil cresceu 5,6 por cento ante o mesmo período de 2016, ficando acima da meta prevista para todo o ano, após a empresa enfrentar algumas dificuldades no processo de venda de campos produtores, apontaram dados da empresa e avaliações de analistas nesta segunda-feira.

A petroleira informou que produziu no país 2,171 milhões de barris por dia (bpd) de petróleo no primeiro semestre, ante a meta de 2,07 milhões de bpd para todo o ano de 2017, o que significaria um ligeiro recuo na extração ante 2016. Mas analistas sugerem que a produção neste ano poderia, na verdade, superar a do ano passado.

O volume do semestre foi ainda 1,2 por cento acima da média de extração registrada em todo o ano passado, de 2,144 milhões de bpd.

Já a produção total da Petrobras de petróleo e gás natural, no Brasil e exterior, cresceu 2,9 por cento na primeira metade do ano em comparação ao mesmo período do ano passado, para 2,791 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d), também acima da meta para todo o ano, de 2,62 milhões de boe/d.

Em relatório publicado após a divulgação dos números pela Petrobras, os analistas do Itaú BBA Renato Salomone e André Hachem consideraram que é muito provável que a Petrobras eleve sua meta de produção para 2017, mas que o movimento terá um impacto limitado no preço da ação no curto prazo.

Para os analistas, o avanço da produção acima da média prevista ocorre provavelmente devido à demora da empresa para vender ativos produtores.

"A meta de produção de 2017 provavelmente contava com a venda de alguns ativos produtores, como blocos em terra na Bacia do Recôncavo e alguns pequenos blocos de águas rasas, que devido à decisão do TCU (Tribunal de Contas da União) foram adiadas e continuam contribuindo para o cenário de produção da empresa", disseram Salomone e Hachem.

O órgão federal interrompeu o plano de venda de ativos da companhia entre o fim de 2016 e o início de 2017 até que a Petrobras transformasse a sistemática do seu processo de vendas, tornando-o mais transparente.

A empresa planeja levantar cerca de 21 bilhões de dólares com desinvestimentos e parcerias no biênio 2017-2018, mas até o momento não finalizou nenhuma transação.

Em relatório, o Goldman Sachs também afirmou nesta segunda-feira esperar que a empresa supere sua meta em 2017, com a produção média de 2,175 milhões de bpd no ano, o que seria uma alta de 1,5 por cento, excluindo possíveis desinvestimentos.

Para este ano, o plano de negócios da empresa prevê ainda iniciar a produção de três novas plataformas nas áreas de Lula Norte, Tartaruga Verde e Mestiça e o Teste de Longa Duração (TLD) de Libra, considerada a área mais promissora do Brasil.

A plataforma do TLD de Libra estava prevista para operar a partir de julho, mas enfrentou problemas operacionais. Até o momento a Petrobras não informou a nova data.

A venda da área de Tartaruga Verde e Mestiça também teve contratempos, mas o início de sua produção era esperado para o segundo semestre.[L1N1DM0GQ]

Procurada, a Petrobras não comentou imediatamente o assunto.

BALANÇO DO ANO

Nos primeiros três meses, a produção da empresa foi marcada por paradas para manutenção em grandes plataformas.

Entretanto, a partir de maio, quando a empresa iniciou a produção da plataforma P-66, no campo de Lula, pré-sal da Bacia de Santos --maior produtor do Brasil--, a companhia voltou a aumentar a produção.

Além disso, ao longo deste ano, houve a entrada em operação de novos poços produtores conectados às plataformas do tipo FPSO Cidade de Caraguatatuba, Cidade de Ilhabela, Cidade de Maricá, Cidade de Mangaratiba e Cidade de Saquarema --todos instalados na Bacia de Santos.

Em junho, a produção da estatal cresceu pela segunda vez consecutiva ante o mês anterior para cerca de 2,2 milhões de bpd, alta de 0,6 por cento em relação a maio.

Segundo a Petrobras, o resultado de junho se deve, principalmente, ao retorno à produção, após parada programada, da plataforma P-43, nos campos de Barracuda e Caratinga, na Bacia de Campos, e do FPSO Cidade de Mangaratiba, no campo de Lula, na Bacia de Santos.

Já a produção total de petróleo e gás da companhia no país e no exterior em junho somou 2,81 milhões de barris de boe/d, dos quais 2,7 milhões boe/d produzidos no Brasil.

A produção de gás natural no Brasil em junho, excluído volume liquefeito, somou 80,3 milhões de metros cúbicos/dia, alta de 1,8 por cento frente a maio, devido principalmente ao retorno à produção do FPSO Cidade de Mangaratiba.

PRODUÇÃO TRIMESTRAL

Já no segundo trimestre de 2017, a produção total da Petrobras de petróleo e gás natural, no Brasil e no exterior, caiu 1 por cento ante o mesmo período do ano passado, para 2,776 milhões de boe/d, segundo a petroleira.

Mas a produção apenas de petróleo no Brasil, na mesma comparação, cresceu 1,3 por cento, para 2,16 milhões de barris de petróleo por dia (bpd).

(Com reportagem adicional de Luciano Costa)

Reuters

Assuntos relacionados:

energia
Imprimir
Publicidade

Caderno Especial

Especial MPE 2017

Versão digital (26/07/2017)

Para assinantes Assine o jornal impresso e tenha acesso total à versão digital.
Versão digital do DCI
Clique e assine hoje mesmo
Publicidade

Nós curtimos

TVB Nova Brasil FM Rádio Central AM
Uma empresa do
© 2017. DCI Diário Comércio Indústria & Serviços. Todos os direitos reservados.