Indústria
04/07/2017 - 18h59 | Atualizado em 04/07/2017 - 19h05

Startup conecta recicladores e marcas de bens de consumo

New Hope Ecotech desenvolveu uma plataforma on-line que emite certificados para comprovar que seus clientes têm práticas sustentáveis

Startup conecta recicladores e marcas de bens de consumo
Startup conecta recicladores e marcas de bens de consumo
Foto: Dreamstime

SÃO PAULO - Em dezembro de 2014, a New Hope Ecotech criou uma plataforma virtual para conectar os serviços das cooperativas de reciclagem com empresas de bens de consumo, as quais têm como obrigação legal destinar as embalagens de seus produtos a agentes especializados.

Estabelecida em 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos serviu como estímulo para o estudante de administração Thiago Carvalho desenvolver a plataforma virtual em seu projeto acadêmico na universidade americana Kellogg School of Management.

O sistema, que tem 40 marcas de bens de consumo e 192 atores de reciclagem cadastrados, recebe informações sobre as atividades realizadas pelos recicladores. Em seguida, é feita uma auditoria sobre estes dados e verificação de sua validade.

Após esse processo, caso os dados sejam aprovados, a New Hope Ecotech emite e vende para as empresas os certificados de sustentabilidade, chamados de selos "eureciclo", que podem comprovar seu comprometimento com o meio ambiente e a legislação.

Dessa forma, a receita proveniente destes certificados é redistribuída para os membros da cadeia de reciclagem brasileira. "Aumentamos a renda dos cooperados de 25% a 30%", afirma Carvalho. De acordo com ele, a startup tem clientes como Ambev, Unilever, AlgarAgro, Organicos Direto da Serra.

A New Hope Ecotech, que está instalada em no Google Campus, em São Paulo, tem como meta para 2017 atingir o número de 310 recicladores e 50 marcas de bens de consumo cadastradas na plataforma. Não foi divulgado faturamento.

Lançada no começo de 2017, em Pernambuco, outra iniciativa pautada na sustentabilidade é o projeto Colec.te: uma lixeira tecnológica que separa os matérias descartados por meio de sensores e uma micro câmera. Criada por uma equipe de quatro pessoas, durante um evento de tecnologia e inovação, conhecido como Hackathon, o sistema utiliza inteligência artificial para identificar os resíduos e separá-los devidamente.

Com imagens de diversos materiais catalogadas em um banco de dados próprio, a câmera da lixeira analisa o formato, cor e tamanho do objeto. Simultaneamente, um processo similar ocorre com os sensores, porém, será examinado a cor, temperatura e condutividade elétrica do material.

Após isso, ambas ferramentas emitem uma resposta em 0,5 segundo e o objeto em questão é transferido por um motor interno para um compartimento adequado. Todo o processo acontece em menos de 1 segundo. A equipe da Colec.te, que ainda não colocou o produto no mercado, afirma que pretende instalar a lixeira em parques, shoppings e galerias.

João Vicente Ribeiro

Imprimir
TVB Nova Brasil FM Rádio Central AM
Uma empresa do
© 2017. DCI Diário Comércio Indústria & Serviços. Todos os direitos reservados.