- O novo ciclo de aquisições que vem se desenhando no Brasil devido à alta do dólar que torna os ativos do País mais atrativos para o capital internacional traz novamente a necessidade do aperfeiçoar e implantar processos capazes de observar consistentemente a saúde das companhias a serem negociadas.



Em mercados mais maduros as análises financeiras baseadas apenas na dissecação de números de planilhas, apesar de vitais, já não bastam para avaliar com maior clareza e poder precificar corretamente o ativo negociado.



Por isso, tem se tornado cada vez mais comum a realização de diligência operacional (ou ODD- Operational Due Dilligence) na busca por resultados mais robustos e demonstrações mais precisas. O princípio da ODD é exatamente trazer robustez para as premissas operacionais utilizadas nas práticas de Valluation. Sendo assim, este processo tende a ganhar força também no Brasil tendo em vista o momento econômico.



Esse modelo, que consiste em fazer um check up da empresa, traz benefícios não somente em uma negociação, mas também para a capacidade de antever cenários e agir em momentos de crise, como a que o Brasil atravessa.



Para que ele funcione, é fundamental a avaliação de todas as áreas que compõem uma empresa. É preciso ter a capacidade de diagnosticar e mensurar oportunidades de melhoria em toda a cadeia de valor, e de transformar impressões em dados e fatos em indicadores operacionais e econômicos.



Estamos falando aqui de um olhar voltado para a operação, cada vez mais fundamental e transparente. Em fusões e aquisições, não estar atento a estes fatores pode resultar em problemas para o negócio.



Empresas que se atentarem a esta outra ótica poderão garantir posição melhor e mais transparente em um processo de aquisição, que se mostra cada dia mais latente no país.



 



 



renanalbertini@textual.com.br



Sócio e fundadorda SteinbockConsulting