Chega ao fim mais uma semana crucial para as negociações do governo com o Congresso Nacional em torno da "reforminha" da Previdência. Com resultados pífios, pelo menos a primeira parte do esforço concentrado do Palácio do Planalto não foi positiva. A começar pelo jantar no Palácio da Alvorada, quarta (22), quando compareceram só metade dos deputados e senadores esperados pelo presidente Temer e seus ministros mais próximos. O episódio mostrou que a aprovação das mudanças no sistema de aposentadorias e pensões depende de muito mais do que a vontade do Palácio do Planalto. São vários os vetores que condicionam essa votação.



 



Uma longa lista de pedidos



 



Desfecho da reforma ministerial, conteúdo a ser negociado, atendimento de demandas pontuais da base aliada e preocupação dos parlamentares com o impacto da votação na opinião público. Desses quatro fatores depende o avanço da reforma da Previdência, na avaliação dos analistas da Arko Advice. Segundo a consultoria, os partidos do Centrão, com cerca de 200 parlamentares, disputam espaço no primeiro escalão.  A reforma ampla que Temer sinalizou fazer agora virou apenas ajustes pontuais. Os parlamentares topam no máximo aprovar idade mínima.



 



Nova família fiscal cloud



 



Com o avanço do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), se tornam cada vez mais adequadas às exigências dos Fiscos as ferramentas de tecnologia para ajudar as empresas a cumprir as obrigações. A SAP, por exemplo, comercializa o seu primeiro produto de uma nova família fiscal na nuvem, a NFE Cloud. A solução foi desenvolvida pela SAP Labs Latin America para facilitar a emissão de notas fiscais e materiais para todo o País. O produto atende ao grande número de empresas que estão migrando seus processos para a nuvem, proporcionando economia de gastos.



 



Diálogo entre bancos e fintechs



 



Acontece hoje o Open Bank ABBC (Associação Brasileira de Bancos), com representantes de instituições financeiras e das fintechs (startups que criam inovações no segmento). Pela primeira vez, bancos e empresas iniciantes do setor  estarão reunidos para discutir novas oportunidades no setor. O objetivo é buscar soluções e parcerias na intermediação perante órgãos reguladores com instituições do mercado financeiro de diferentes nichos e portes, representadas pela ABBC, que têm necessidade de um novo posicionamento no mercado focado cada vez mais na inovação.



 



Nova agenda na China



 



Recente pesquisa de opinião pública mostra apoio dos chineses à ação climática em nível nacional e internacional. O levantamento foi conduzido pelo Centro da China para a Comunicação sobre Mudanças Climáticas (China4C). Para Haibin Zhang, professor da Escola de Relações Internacionais da Universidade de Pequim, que há muito estuda governança climática global, o resultado da pesquisa mostra que a participação ativa da China na governança global do clima é popular com o público. "A agenda de baixa emissões de carbono tornou-se importante."



 



Compliance em alta ...



 



O mercado de programas de compliance para instituições de ensino superior está aquecido.  Segundo o escritório jurídico especializado Covac Sociedade de Advogados, desde que passou a prestar apoio nessa área o número de consultas das instituições vem aumentando muito e a banca já tem em andamento mais de 20 projetos para implantação desse tipo de programa em IES de todo o país. Além de prevenção contra riscos de sanções regulatórias, perdas financeiras ou de reputação, os principais motivos que levam as instituições educacionais a buscar esse serviço envolvem a Lei 12.846/2013, que criminaliza a pessoa jurídica flagrada em ato de corrupção, para preservar a instituição contra atos de seus gestores ou de qualquer pessoa que tenha agido em nome da organização acadêmica. Os programas de compliance também são utilizados como uma ferramenta eficiente no cumprimento de normas regulatórias, acadêmicas e para a manutenção da filantropia das IES.



 



...instituições de ensino superior



 



"A adoção de um programa de compliance por uma instituição educacional propicia um ganho direto em credibilidade perante consumidores, fornecedores e órgãos reguladores, além de melhorar os níveis de governança, e isso se reflete no aumento da eficiência e da qualidade dos serviços prestados", diz o advogado Daniel Cavalcante Silva, da Covac. Para ele, que também é autor do livro "Compliance como Boa Prática de Gestão no Ensino Superior Privado", junto com o advogado José Roberto Covac, "a incorporação de programas de compliance permite a criação de mecanismos claros para preservar a instituição, servindo de instrumento para a tomada de decisões por parte do mantenedor e visando melhorar o desempenho da IES pela redução de probabilidade e/ou impacto de perdas".



 



Parceria em eventos premium



 



A norte-americana Eventbrite, líder mundial em tecnologia para eventos e venda de ingressos, acaba de firmar uma parceria estratégica com o Sem Hora, líder brasileiro no mercado de festas e eventos premium. O objetivo é trabalhar em uma única plataforma e oferecer a tecnologia da Eventbrite e a expertise no mercado de música de pequeno e médio porte do Sem Hora aos clientes. O negócio foi estruturado pelo BVA Advogados, de São Paulo, especializado no setor de tecnologia e internet. Segundo Felipe Barreto Veiga, sócio responsável pela negociação, a operação é uma das mais importantes do mercado de startups brasileiro em 2017. "Esta integração demonstra que o mercado brasileiro está reaquecendo e despertando novamente o interesse do investidor estrangeiro. O momento é muito promissor", afirma.  A Eventbrite tem entre os principais investidores os fundos Sequoia Capital, Tiger Global e T. Rowe Price. No Brasil, é comandada pelo português Hugo Bernardo. O Sem Hora foi criado em 2013 por Luis Felipe Palomares e, desde então, transacionou mais de R$ 100 milhões em venda bruta de ingressos.