Serviços
01/06/2016 - 16h46 | Atualizado em 01/06/2016 - 17h53

Aplicativo Bomo recompensa motoristas que não recebem multas

Em sistema de cashback, usuários recuperam parte do que consumirem em compras de parceiras da plataforma

Aplicativo Bomo recompensa bons motoristas pelo sistema de cashback
Aplicativo Bomo recompensa bons motoristas pelo sistema de cashback
Foto: Divulgação

SÃO PAULO - Com o objetivo de reduzir o número de acidentes com veículos no Brasil, a startup paranaense Bomo (sigla para "Bom Motorista") desenvolveu um programa de recompensa para bons condutores. Com cerca de 2 mil motoristas cadastrados em todo o País, a marca quer se estabelecer no mercado como referência em incentivo ao respeito das leis de trânsito com um sistema de cashback. Esse modelo devolve ao consumidor parte do que ele gastar em compras.

"Sempre acreditei em ideias que resolvam problemas, que sejam um auxílio de verdade para as pessoas, úteis para a sociedade", afirma o designer Marcos Granzotto, que, com o desenvolvedor de aplicativos Marcos Seki, criou o aplicativo.

Após ver um atropelamento no fim do ano passado, Granzotto levantou dados sobre acidentes envolvendo veículos em todo o Brasil. "Quando descobri que o País é o quarto da América com mais fatalidades no trânsito e não existia nada para melhorar isso, vi que algo deveria ser feito", diz o empreendedor. "É certo punir quem desobedece a lei, mas não motivar quem se mostra bom condutor o ano inteiro é um erro. Se não os reconhecem, então eu irei reconhecê-los", afirma.

Com investimento inicial de R$ 50 mil, o Bomo foi lançado em janeiro. Ao se cadastrar no sistema e consumir em lojas parceiras, o motorista pode receber de volta uma parcela do que gastou. O valor a ser reembolsado é estabelecido pela empresa parceira e fica entre 5% e 15% do que foi pago.

O dinheiro volta ao usuário por meio de um extrato dentro do próprio aplicativo, que deve ser baixado no site da plataforma. O motorista poderá solicitar a recompensa ao acumular R$ 30, valor que será depositado em sua conta bancária.

O Bomo verifica se o motorista recebeu alguma multa nos meses anteriores à solicitação. Se for encontrada alguma infração, o condutor não poderá recuperar o dinheiro e o valor acumulado será doado a um hospital que ajuda vítimas de trânsito.

A empresa que deseja ser parceira do Bomo precisa pagar uma anuidade de R$ 200, valor que é revertido para publicidade e marketing do sistema. Atualmente, cinquenta parceiros físicos e dois on-line já colaboram com o aplicativo. "Nossos parceiros abraçam a causa espontaneamente, pois veem potencial na nossa proposta", afirma Granzotto.

Ao se associar ao sistema, a parceira é divulgada entre os motoristas cadastrados. Por meio do aplicativo, os usuários são notificados quando uma empresa se junta ao Bomo, além de saber a porcentagem que receberão de volta. O Bomo fica com 1,2% do valor gasto pelo usuário.

Diariamente, de 30 a 50 motoristas aderem ao aplicativo, diz Granzotto. Dados levantados pela empresa em abril mostram que 95 usuários já tinham resgatado os valores arrecadados. "Estamos fazendo o mais importante, que é salvar vidas, deixando as estradas mais seguras. Estamos ainda alcançando valores pequenos, mas que são inestimáveis", afirma o empreendedor.

Arthur Henrique

Imprimir
Publicidade

Caderno Especial

Especial MPE 2017

Versão digital (17/11/2017)

Para assinantes Assine o jornal impresso e tenha acesso total à versão digital.
Versão digital do DCI
Clique e assine hoje mesmo
Publicidade

Nós curtimos

TVB Nova Brasil FM Rádio Central AM
Uma empresa do
© 2017. DCI Diário Comércio Indústria & Serviços. Todos os direitos reservados.