São Paulo - A preocupação com a imagem profissional e a quebra de preconceitos com a mudança cultural são elementos que têm tornado o público masculino um grande nicho de mercado. E as clínicas de saúde e beleza perceberam isso. Alguns exemplos são a Vivere Sanus, Slim Form, Depyl Action, Clinica Carlos Bautzer Cirurgia Plástica e Francisco Neto.

Um exemplo é o do empresário e médico José Bento de Souza, que inaugurou no final do ano passado a Clínica Vivere Sanus, especializada no público masculino. Obstetra e ginecologista, dr. José Bento já tinha uma clínica em São Paulo focada na saúde feminina há mais de 30 anos. Atento à grande demanda do sexo masculino, ele investiu R$ 2 milhões no novo empreendimento.

A clínica possui especialistas nas áreas de cardiologia, urologia, endocrinologia, nutrição, estética, ortopedia, cirurgia plástica e dermatologia. "O tratamento de doenças é importante, mas o intuito é a promoção da saúde. Queremos mudar os hábitos e atender todas as necessidades do paciente."

Para ele, a demanda dentro da clínica tem crescido de forma exponencial. "Temos alta de 10% por mês e atendemos em média 80 pacientes mensalmente. Devemos crescer 60% no faturamento até o final do ano."

A previsão dele é dobrar o número de clientes até o final de 2015. "Existe uma demanda reprimida. Antes o homem ia ao urologista realizar um exame e só, agora ele está percebendo que precisa se cuidar. A longevidade está sendo estendida por meio de antibióticos e novos tratamentos, mas a qualidade de vida ainda é ruim. Através da boa orientação podemos reverter este quadro."

Estética

No segmento estético, a nutróloga da Slim Form, Ana Luisa Vilela, diz que nos últimos três anos o crescimento da procura dos homens por tratamentos de emagrecimento, estética facial e corporal cresceu 40% na clínica. "A expectativa é crescer 15% no número de clientes masculinos no ano", explica.

Com o intuito de atender a demanda masculina, a empresária inaugurou estrategicamente uma loja no Shopping Frei Caneca, em São Paulo. "Atendemos todos os públicos, mas nos Jardins existe um grande índice de pessoas que moram sozinhas e têm mais gastos com estética", diz.

Em 2014, a empresária investiu entre R$ 800 mil e R$ 1 milhão para inaugurar a clínica, além de reformular o visual da marca para se tornar mais unissex. "Atualmente possuímos duas clínicas em São Paulo e uma em Goiânia. Temos projetos para mais quatro lojas, com foco em regiões comerciais", ressalta.

O segmento de depilação também tem uma procura alta. Segundo a sócia diretora da Depyl Action e diretora da Associação Brasileira de Franchising (ABF) em Minas Gerais, Danyelle Van Straten, a demanda masculina cresceu 41% em 2014. "Para 2015, a meta é de 40% de alta, por conta do cenário econômico. Mas no primeiro trimestre já tivemos 41%", disse Danyelle, ao ressaltar que no segundo semestre a demanda é tradicionalmente maior, o que mostra que a meta anual deve ser superada.

Neste segmento, os serviços mais procurados são a depilação da região íntima, barba modelada e tórax. "O espaço para homens nasceu em 2010 de forma personalizada, mas percebemos que não era mais necessário. O público não se incomoda mais em estar entre as mulheres", explica. Ela acredita que a tendência é que as franquias de serviços passem a oferecer produtos unissex.

Plástica

Segundo dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, houve um aumento de 30% na procura por cirurgias em homens nos últimos cinco anos. "Recebo ao menos cinco novos pacientes homens por mês", diz o cirurgião plástico, Francisco Alionis Neto. Para ele, a expectativa é de aumento de 10% na procura global da cirurgia plástica em homens e a previsão é que a clínica tenha essa mesma alta.

"O procedimento cirúrgico mais procurado é o da correção do tamanho das mamas, do nariz, lipoaspiração, levantamento de pálpebras e eliminação de bolsas de gordura."

O doutor Carlos Bautzer, do corpo clínico dos hospitais São Luís e Israelita Albert Einstein concorda. "Nos últimos anos tivemos um aumento considerável. Cerca de 30%, principalmente nos serviços de lipoaspiração, lifiting facial e rinoplastia", explica. Bautzer crê que 10% dos pacientes por mês sejam do público masculino e o faturamento com eles pode atingir 7% de alta no ano.