Especializado no ensino superior nas áreas de tecnologia e gestão, o Instituto Brasileiro de Tecnologia Avançada (IBTA) adotou o “uni” no nome, tornando-se UNIBTA. O movimento acompanha a incursão da marca no mercado de ensino à distância (EaD).

Quarenta cursos na modalidade serão ofertados já no semestre que vem a partir dos 150 polos credenciados pelo centro universitário desde a flexibilização das regras para o EaD, aprovada pelo Ministério da Educação (MEC) no primeiro semestre. “Com a mudança da legislação adiantamos nossos planos em quase um ano. Fizemos em seis meses o que antes levaria um ano e meio”, afirmou o presidente do Grupo CETEC Educacional, Thiago Rodrigues Pêgas. Para o gestor, o EaD vai ser quase metade do ensino superior privado dentro de cinco ou seis anos, com possibilidade de ultrapassagem a partir de 2022. A concorrência na modalidade, contudo, também aumentará. “Teremos que usar novos instrumentos de captação.”

Com faturamento de R$ 70 milhões previsto em 2017 e sediado em São José dos Campos, o grupo CETEC Educacional possui 6 mil alunos em seis campis na capital e interior paulistas; além da UNIBTA (comprada em 2012 do Ibmec) a mantenedora também controla a ETEP Faculdades e a Faculdade Bilac. Segundo Pêgas, o número de novas matrículas nas três marcas se manteve em linha com o visto em 2016.