Publicado em

Rio de Janeiro - Paraíba do Sul tomou gosto pelo seu distrito industrial. O município do centro-sul do Estado do Rio de Janeiro conta com três polos de concentração de empresas e já planeja a expansão de um deles.

Hoje, o distrito industrial da cidade está dividido em três regiões: Barra Grande, Vieira Cortez e, o mais recente, da Barrinha. Este entrou em operação em março do ano passado e tem seis empresas prestes a iniciar as operações - a previsão do município é de geração de 100 empregos diretos.

Novas frentes

A prefeitura já iniciou o processo de desapropriação de um terreno de 200 mil m² ao lado do Parque Industrial da Barrinha para captação e instalação de mais empresas. O espaço comporta cerca de 30 companhias.

Para atrair investimento, a estratégia é a tradicional: benefícios fiscais e auxílio na parte burocrática. A Secretaria de Indústria e Comércio auxilia as companhias a obterem descontos no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Qualquer produto importado pela empresa via Porto do Rio conta com isenção do tributo. Após a venda, a alíquota é de 2%. Já fornecedores do complexo industrial pagam 2% de Imposto Sobre Serviços (ISS), ao invés de alíquota de 5%.

Na parte de licenças e alvarás, a Secretaria de Indústria e Comércio também promete suporte. O alvará junto à Secretaria de Fazenda sai em até dois dias, e a licença ambiental, no caso de empresa de baixo impacto, é emitida em até 15 dias.

"O empresário muitas vezes fica órfão porque não tem acesso aos órgãos do poder público. A prefeitura trabalha junto com ele para obter agilidade nos processos", explica o secretário de Indústria e Comércio de Paraíba do Sul, Leandro Holak.

Infraestrutura

O complexo da Barrinha fica às margens da Rodovia BR-393 e abriga fabricantes de blocos e artefatos de cimentos, e empresas como Reflorest e TecSolid Projetos Especiais. A Regional Telhas também começou a operar no local, com previsão de faturamento mensal na casa dos R$ 30 milhões.

A quase totalidade do terreno é plana, e a infraestrutura de telefonia por fibra ótica, rede elétrica e redes de água e esgoto está toda instalada.

Também próximo à BR-393 está o Parque Industrial de Barão de Angra. No local de 60 mil metros quadrados existem mais empresas instaladas, como a SS Distribuidora de Alimentos e a Rio Farma, do ramo de medicamentos.

Ao mesmo tempo, a Petrowax começa a receber na próxima sexta-feira seu maquinário para iniciar as atividades no Distrito de Vargem Cortez. A empresa, que atua na formulação, envase e armazenagem de produtos químicos e derivados de petróleo, faz parte do grupo Santa Cruz e investiuR$ 7,7 milhões na produção de vaselinas medicinais, parafina em tabletes e óleos parafínicos, o que deve resultar em 100 empregos diretos.

Outra meta do município é a criação de um projeto de coworking de empresas de tecnologia e inovação em um galpão de 2 mil m², que será instalado no Parque de Águas Salutaris. "Queremos criar e atrair empresas de tecnologia sustentável", avisa Holak.