Publicado em

Por Marcelo Teixeira

SÃO PAULO (Reuters) - As regiões do centro-sul do Brasil devem ser atingidas pelas temperaturas mais baixas do ano nos próximos dias, com meteorologistas projetando a formação de algumas geadas em áreas cafeeiras, que não tendem, porém, a ser muito difundidas ou intensas.

Os contratos futuros do café arábica na ICE avançaram acentuadamente na segunda-feira, com operadores citando o potencial de danos aos pés de café no Brasil com a chegada de uma forte massa de ar polar. Nesta terça-feira, porém, os futuros recuaram, seguindo a maior parte das commodities em um dia em que os preços do petróleo despencaram.

"De fato, é uma massa que traz certas preocupações, já fazia um tempo que não víamos uma frente fria dessa intensidade se movimentando sobre o Sudeste brasileiro", disse Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista da Rural Clima.

"Então, as geadas são possíveis, mas elas provavelmente serão isoladas e de baixa intensidade", afirmou ele, citando o fato de que o centro da massa de ar polar deverá permanecer sobre Santa Catarina, Estado distante das áreas de café.

Santos disse que irá monitorar as movimentações da massa nos próximos dias. Se ela avançar em direção a São Paulo e ao sul de Minas Gerais, aí sim poderá ser vista mais seriamente pela perspectiva cafeeira --por ora, esse não é o caso.

O sul de Minas deve registrar temperaturas mínimas de cerca de 4 graus a 6 graus Celsius durante o fim de semana. Níveis similares são esperados para as áreas de café de São Paulo. As lavouras do norte do Paraná devem marcar temperaturas mais baixas, mas o Estado já não possui produção significativa.

O Ministério da Agricultura divulgou nesta terça-feira um alerta a respeito das baixas temperaturas e da possibilidade de geadas nas zonas de café.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) afirmou que geadas devem se desenvolver em São Paulo e Minas Gerais, mas que as ocorrências mais fortes são esperadas apenas para as regiões montanhosas de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O Brasil já colheu uma grande parte de sua safra de café deste ano, mas qualquer impacto dessas geadas poderá ser sentido em 2020, quando é esperado que o país produza uma safra maior, por se tratar de um ano de alta no ciclo bienal de produção do arábica.

Uma geada severa pode fazer com que os pés de café percam folhas, prejudicando o potencial de produção.

(Reportagem de Marcelo Teixeira)