Publicado em

Por Sara Mills

CANNES, França (Reuters) - A atriz Julianne Moore, premiada com o Oscar, disse que sua experiência de cuidar de alguém infectado com o vírus da Aids estimulou sua decisão de ajudar a promover o documentário "5B" sobre os heróis não reconhecidos que cuidaram de infectados na década de 1980.

O filme, exibido durante a primeira semana do Festival de Cinema de Cannes, conta a história de Ward 5B no Hospital Geral de San Francisco, a primeira unidade de atendimento especializado para pessoas com HIV/Aids nos Estados Unidos.

Em entrevista à Reuters em Cannes, Moore, 58, disse que perdeu um amigo para o vírus logo após se formar na faculdade.

"Era o final de 1984 e era um amigo que havia ido ao México, e todos disseram que haviam contraído a gripe. Ele morreu duas semanas depois e fiquei chocada", disse Moore.

Mais tarde, a atriz, cujos filmes mais conhecidos incluem "Magnólia" e "As Horas", ajudou a cuidar de um paciente com Aids em uma unidade de cuidados em Nova York, onde amigos e familiares puderam vir cuidar dos pacientes.

"Em 1985 muitas pessoas que eu conhecia estavam doentes... e por volta de 1988 eu estava cuidando de alguém em uma enfermaria... Eu vi esse filme e fiquei incrivelmente comovida", disse ela.

O filme investiga como enfermeiras que viram um aumento em pacientes com a condição decidiram criar um centro de atendimento, consternadas com a falta de humanidade demonstrada por muitos na época.