Publicado em

A redação de um jornal é sempre uma caixa de ressonância do que acontece na cidade, no País, no planeta. As transformações na sociedade, na economia, na política e no meio ambiente, só para citar alguns aspectos, chegam primeiro para os jornalistas, na forma de variados sinais nas sugestões de pauta, nos releases, na convocação de entrevistas, nos artigos, na produção de textos e na observação.

Nesses 17 anos em que o quase centenário jornal DCI fez parte das empresas do Grupo SolPanamby, coube a nós interpretar e analisar os fatos para devolvê-los aos nossos assinantes e leitores da melhor forma possível, com o máximo de isenção e com uma linguagem inclusiva, tirando a sisudez das finanças e da macroeconomia. Ajudamos os empresários de todos os portes a tomar suas decisões em um Brasil que “não é para principiantes”, como diz a conhecida expressão.

Essa caixa de ressonância, nas últimas décadas, foi permeada pelas incertezas que varreram o Brasil. De toda ordem, a instabilidade afastou presidentes da República, colocou outros na prisão, mudou a nossa moeda, tornou o Brasil o campeão dos juros altos e um dos lugares mais violentos do mundo. Mas as sucessivas crises geraram também a oportunidade para brasileiros se reerguerem, derrubar inflação e juros, tornando-se a oitava economia do planeta.

As mudanças decorrentes das inovações tecnológicas no século XXI, aos poucos deixaram de atingir apenas os segmentos da economia que cobríamos, e foi chegando cada vez mais perto de nossa atividade. A internet alterou radicalmente a forma de consumir, distribuir e produzir informações, bem como o modelo de negócio dos jornais impressos. Resistimos até onde foi possível, tentamos novos formatos, cada um fazendo sua parte: acionistas, diretores; equipes do comercial, da circulação, da redação – repórteres, editores do impresso e do site, da arte, da administração, das “tias” do café e dos cuidados com nosso espaço de trabalho.

Nesta última edição nos despedimos cientes de que tentamos cumprir nosso papel de praticar o bom jornalismo, agradecendo a você, leitor, nossa real razão de existir.