Publicado em

O ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes deve receber nos próximos meses uma vultosa comissão com a venda do monotrilho da linha 17 que liga as estações Morumbi e Congonhas, em São Paulo. Ele é vice-presidente da chinesa BYD Motors América Latina, que deve pegar a obra, herança da enrolada Andrade Gutierrez e a falida Scomi, da Malásia.

A contratação da linha 17, que ocorreu em 2013, foi suspensa em março deste ano pelo governador João Dória. O secretário de Transportes Metropolitanos de do Estado, Alexandre Baldy, conduz a nova licitação anunciada no fim de maio. E a BYD já marca presença certeira nos corredores, nos cafés de Paes com o amigo Baldy.

O sogro de Baldy, o empresário Marcelo Limírio, foi o principal doador da campanha de Pedro Paulo, o indicado de Paes para a prefeitura do Rio de Janeiro em 2016.

Em contato com a Coluna nesta sexta, o ex-prefeito Eduardo Paes negou que vá receber comissão caso a BYD vença a licitação do Governo federal para as obras e implantação do monotrilho de São Paulo. Embora reconheça o cargo de vice-presidente da multinacional, afirma que não é lobista, e sim executivo da empresa, e não é amigo do secretário de Transportes Metropolitanos do Governo do Estado, Alexandre Baldy, que tenta tocar a licitação junto à União.

Fala, Baldy

Atualizada 19/06, 14h20 Já o secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo,  Alexandre Baldy, garante que a pasta apenas indicou um estudo para o Ministério da Infraestrutura fazer a licitação,  no qual avaliou a obra em R$ 175 milhões,  e garante que haverá total lisura e transparência,  a despeito dos encontros que teve com Paes, que,  segundo ele, foram para apresentar outros assuntos. O secretário garante que não tem participação na licitação.