Publicado em

Café no bule

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, visitou o então presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu mais de uma vez em agenda extra. Agora descobre-se que a usina binacional Itaipu patrocinou com R$ 1,5 milhão evento de empresa do ministro, o VII Fórum Jurídico de Lisboa, sem a aplicação da logomarca no painel.

A direção de Itaipu correu para explicar: o apoio milionário foi fechado no Governo Temer via Fundação Getúlio Vargas, parceira do IDP – Instituto de Direito Público, ligado ao ministro Gilmar. O novo diretor de Itaipu, general Silva e Luna, cancelou há meses outros repasses milionários desse convênio.

 

De olhos abertos

O presidente Bolsonaro coça o ouvido nervoso ao ouvir dois nomes no gabinete: Wilson Witzel e João Dória, governadores do Rio de Janeiro e São Paulo, respectivamente. Ambos surfaram na onda do bolsonarismo para se elegerem. E, para o presidente, já atuam nos bastidores “para furar” seus olhos como pré-candidatos ao Planalto. O presidente já segura pedidos de agendas dos governadores com ele.

 

Ouvidoria

Um importante governador (não é Dória nem Witzel) comprou maletas de escuta telefônica de empresa israelense, com alta tecnologia, informam fontes do negócio. Ele garantiu ao fornecedor que serão para uso da Polícia Civil. Estamos de olho.

 

Da arquibancada

O ex-senador Luiz Estevão, em prisão de regime semi-aberto, foi domingo ao Estádio Nacional para a final do Brasiliense (time de sua propriedade) contra o Gama. Além de perder, ouviu umas ironias. Levou de boa.   

 

Frente da Enfermagem

Os mais de 2 milhões de enfermeiros em atuação no País poderão ter um novo espaço de interlocução com o Congresso. O deputado Célio Studart (PV-CE) coleta assinaturas para a criação da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Enfermagem. Piso salarial, redução de carga horária e espaço adequado para repouso estão na pauta.

 

Memória

Para quem não tem ideia da importância de Lenardo Boff no cenário mundial, vale uma lida sobre ‘teologia da libertação’, por alto (o Google ajuda). Há também episódio histórico de uma inquirição dele no Vaticano, no Tribunal Eclesiástico presidido pelo cardeal Joseph Ratzinger, em 1985, quando foi renegado pelo Vaticano. Ratzinger viria a ser o Papa Bento 16.

Como revelou a Coluna ontem, Boff foi vetado pela direção do INCA para uma palestra como voluntário, mas a entidade voltou atrás e o liberou, por não haver teor político.