Publicado em

A #VazaJato, como denominou o site Intercept, que publicou reportagens baseadas na suposta troca de mensagens eletrônicas entre o ex-juiz Sérgio Moro – e agora ministro da Justiça e Segurança Pública – e o procurador Deltan Dallagnol, pode não ter efeitos jurídicos capazes de reverter as decisões sobre a Operação Lava Jato, mas tem potencial de estrago político altíssimo. Ainda mais na atual conjuntura.

A narrativa do PT, de que a Lava Jato foi um movimento político para tirar o ex-presidente Lula das eleições de outubro passado, já está fortalecida, independentemente do que venha acontecer. A campanha Lula Livre deve ganhar mobilização de massa, a greve geral marcada para esta sexta-feira (14) deve ser ampliada e reforçada. A Lava Jato, que passou por várias crises, deve perder credibilidade. E, nessa onda, o governo do presidente Bolsonaro (PSL) tem sua imagem – já desbotada – ainda mais arranhada.

Ontem, foi quase unanimidade a impressão dos formadores de opinião de que as informações capturadas de celulares “conduzem à conclusão inequívoca de que Moro desenvolveu com Deltan uma proximidade juridicamente tóxica. Os dois combinam ações, consultam-se mutuamente. Ultrapassam a fronteira que separa o relacionamento funcional do comportamento abusivo. O então juiz por vezes adota um timbre de superioridade hierárquica, imiscuindo-se no trabalho da Procuradoria. Algo que destoa da isenção que a Constituição exige de um magistrado”, como escreveu o colunista do UOL Josias de Souza.

Para Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, o fato é muito grave e as alegações contidas nas reportagens precisam ser apuradas. Mendes faz parte da 2ª Turma do STF que analisa pedido de suspeição de Moro, por parte da defesa de Lula, alegando que Moro não teria condições de julgar o petista; pede a nulidade de todos os atos processuais praticados pelo ex-juiz e a libertação de Lula. Para o ministro Marco Aurélio Mello, as supostas mensagens colocam em xeque a imparcialidade esperada da Justiça e a equidistância do órgão julgador. E o Intercept avisou: o que foi publicado até agora é só o começo.