Publicado em

Ao completar 465 anos na última sexta-feira, 25 de janeiro, a cidade de São Paulo começa sentir as “dores” do envelhecimento. Na última semana, mais um viaduto foi interditado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), na pista expressa da Marginal do Tietê, que dá acesso à Rodovia Presidente Dutra, uma das mais importantes do estado, que liga São Paulo ao Rio de Janeiro e por onde passam muitos carros e caminhões diariamente.

Após vistoria, chegou-se à conclusão de que uma viga de apoio da estrutura do pilar estava a ponto de romper, junto à margem esquerda do rio Tietê.

O problema é semelhante ao ocorrido em novembro de 2018 no viaduto da Marginal Pinheiros, que afundou depois que uma viga cedeu e até hoje permanece fechado.

O prefeito do município, Bruno Covas (PSDB), até tentou acelerar o processo, contratando empresas de engenharia, em caráter de emergência (sem licitação) para vistoriar detalhadamente os demais viadutos, que também necessitam de reparos. Isso porque a Prefeitura só faz inspeções visuais, sem se aprofundar no problema.

Entretanto, o processo foi paralisado pela exigência feita pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) à Prefeitura. Ainda em novembro, no caso da Marginal do Pinheiros, o TCM determinou que, se fosse contratar sem licitação, a Prefeitura teria de justificar o contrato para cada ponte. Isso fez com que Covas tivesse de fazer novas vistorias visuais e só agora, dois meses depois, é que ele conseguiu refazer os contratos das vistorias mais técnicas. Também por ação do TCM, que suspendeu no ano passado uma licitação para reparos em viadutos, a verba previstas para gasto nessa ação não puderam ser usadas em 2018.

No caso dessa ponte que dá acesso à via Dutra, Covas ainda terá de negociar com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), responsável pela via. O prefeito disse que até assumiria o conserto, mas precisa da concordância do DNIT. Enfim, as dores se espalham pelo “corpo todo”, mas cada hora é preciso consultar um “médico” diferente. E a cidade idosa é que sofre.