Publicado em

O governo atual, que hoje completa seus primeiros seis meses de vida, e até agora pouco mostrou a que veio, já é uma plataforma para a disputa de um segundo mandato para o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Recentemente, Bolsonaro finalmente assumiu a pretensão de ser candidato à reeleição, em 2022, ao contrário do que prometeu nos palanques eleitorais em 2018.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que cumpriu meio mandato na Prefeitura de São Paulo para participar da eleição ano passado, também contradizendo o que havia sinalizado aos eleitores, está no páreo da corrida presidencial que culminará nas urnas daqui a dois anos e meio.

Bolsonaro e Doria trocam farpas e se colocam como concorrentes em algumas decisões que envolvem o Estado de São Paulo e o governo federal, caso da sede da Fórmula 1. O presidente da República, em uma jogada política, quer transferir o evento internacional, que sempre foi realizado na capital paulista, para o Rio de Janeiro.

Na tramitação da reforma da Previdência, a preocupação com os votos nas urnas também veio à tona. Deputados e senadores, de olho nas eleições de 2022, não querem arcar com o ônus político de incluir as previdências públicas de estados e municípios nas mudanças que estão em andamento nas aposentadorias e pensões de trabalhadores privados e que seriam estendidas aos servidores públicos.

Querem evitar, ainda, um impacto negativo nas eleições de 2020 para as prefeituras. As bases dos parlamentares estão nas cidades e nos estados, portanto, quem não cuidar de seus currais eleitorais pode ter problema. Prefeitos são importantes cabos eleitorais para garantir mandatos para deputados estaduais, federais, senadores, governadores.

O mais incrível é que com o atual sistema político-eleitoral, com eleições a cada dois anos, o Brasil não consegue deslanchar. Obviamente, não somente por este problema, mas quando homens e mulheres públicos, eleitos e pagos pela população, dirigem suas energias mais para seus projetos eleitorais do que para o bem geral, algo está errado.