Publicado em

Em um país como o Brasil, onde sobram criatividade para driblar crises econômicas e desempregados em busca de uma renda, a tecnologia vem se tornando grande aliada de pequenos empreendedores. Inclusive em nichos de áreas de trabalho ocupados por grandes revoluções decorrentes das inovações, caso dos aplicativos de transporte que surgiram como uma alternativa para os trabalhadores afetados pela atividade econômica fraca.

O sucesso foi imediato e hoje 52% dos brasileiros usam esses apps no dia a dia. Mas, com o passar do tempo, essa opção deixou de ser tão vantajosa. Isso porque tanto a concorrência quanto as taxas aumentaram. Em média, cerca de 25% do valor das corridas são descontados dos motoristas, e fazem muita diferença no fim do mês. Por isso, quatro motoristas de Uberaba, interior de São Paulo, resolveram se unir e criar a Life Mob.

João, Rafael, Joaquim e Rodrigo perceberam que, assim como eles, boa parte dos motoristas particulares também estavam insatisfeitos. Eles identificaram uma possibilidade de ampliar os ganhos desses motoristas sem grandes taxas e com preço justo, tanto para eles quanto para os passageiros.

Resultado: em apenas três meses de funcionamento, o Life Mob já realizou quase 17 mil corridas. Pensando primeiramente nos motoristas, eles definiram uma forma de cobrança diferente para a Life Mob. Ao invés de porcentagem em corridas, motoristas pagam somente mensalidades fixas.

Dessa maneira, em menos de uma semana o motorista consegue juntar o valor da mensalidade. Depois, toda quantia recebida ao longo do mês fica, exclusivamente, para ele.

O exemplo dos empreendedores de Sorocaba indica, em boa medida, o motivo de o Brasil continuar em pé apesar de ter uma economia com desempenho pífio desde 2014, com solavancos seguidos provocados por crises políticas. Há anos o País não tem uma política de governo forte voltada ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e, em consequência, ao aumento do emprego.

Enquanto isso, o Brasil vai avançando em criatividade para tirar os brasileiros do sufoco.