Publicado em

Em 4 de outubro do próximo ano teremos eleições municipais em todo o País. Embora pareça muito tempo até lá, não é e muitas coisas podem acontecer em 12 meses. Historicamente, as eleições municipais no Brasil têm uma dinâmica própria, sem influência da política nacional, mas há momentos em que isso não ocorre. Caso, por exemplo, do último pleito municipal, quando o PT se viu muito fragilizado na esteira do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e o partido perdeu 60% das prefeituras no País.

Ouvido recentemente pelo DCI, o cientista político Cláudio Couto, professor e coordenador do mestrado profissional em gestão de políticas públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), observou que embora os outros partidos de esquerda tenham ganhado algumas prefeituras, olhando para esses partidos isoladamente, no total a esquerda toda saiu enfraquecida. “Ali se viu uma nacionalização da disputa municipal que não é comum no Brasil.”

O importante, na avaliação dele, é observar como os eleitores vão reagir ao desempenho do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) nesse período que antecede as eleições municipais e assim, ver como a economia vai reagir. Tudo isso é o que vai determinar a eleição municipal, segundo Couto.

Se há um ponto que hoje está dado e até onde se olha não se vê possibilidade de mudança, é essa grande desarticulação dos setores oposicionistas, e isso, claro, cria um problema para a eleição, muito embora a própria eleição em si pode se constituir numa oportunidade de uma certa aproximação.

Daqui a poucos meses, quando a eleição estiver de fato se aproximando e os partidos começarem a se organizar para a disputa, talvez as diferenças entre eles sejam esquecidas e se busque alguma aproximação, algum tipo de convergência. Na opinião de Cláudio Couto, a a eleição pode ser uma oportunidade para isso. Menos como um desfecho de tudo que estamos vendo agora – com as repercussões negativas com relação ao governo Bolsonaro – e mais como provavelmente um momento de reorganização. É preciso esperar ainda alguns meses para ver.