Publicado em

O resultado da eleição no próximo domingo, somado ao quadro do Congresso e das representações nos estados que se desenhou na reta final do 1º turno significará provavelmente o crepúsculo da Nova República. O termo foi cunhado por Tancredo Neves em dezembro de 1984, durante sua campanha para ser eleito presidente pelo colégio eleitoral, que foi realizado no mês seguinte. O velho político mineiro defendia a descentralização do poder após mais de duas décadas de quase onipotência do Executivo ditada pelos militares. Também clamava por liberdades individuais, reconstrução institucional e por uma nova Constituição.

Tancredo não viu surgir esse novo momento, uma vez que adoeceu antes de tomar posse e faleceu em abril de 1985. Mesmo sob o comando de José Sarney, seu vice-presidente escolhido nas dissidências da antiga Arena, o Brasil iniciou sua caminhada para a volta dos valores democráticos, viu florescerem movimentos sindicais e sociais, abriu sua economia, voltou ao fórum de discussões globais, enfrentou e venceu a hiperinflação e avançou na questão dos direitos à cidadania plena.

Mas como nem tudo são flores, a organização política desde então ganhou características de extrema fragmentação, provocando coalizões estranhas que só se mantiveram por meio de troca de favores e, em muitos casos, corrupção. Aos olhos do povo, uma oligarquia política se apoderou do centro de decisões e criou condições para se perpetuar do poder. Aos poucos, o eleitorado foi se cansando das velhas promessas e a insatisfação ganhou as ruas em manifestações que só se comparam às da redemocratização.

Em 2018, velhas raposas da política perderam suas vagas no Congresso ou nos palácios dos governos estaduais, ideias conservadoras que estavam hibernando acordaram e até um anacrônico saudosismo pelos governos autoritários se revelou mais forte que o esperado. Nesse ambiente, Jair Bolsonaro encontrou seu curso e discurso, liderando praticamente toda a corrida eleitoral. É inegável que uma República diferente está chegando. E não tem cara de nova.