Publicado em

Fatos recentes – aumento do desmatamento e das queimadas – comprovam que o Brasil está muito distante do desenvolvimento sustentável. E diante de tanto ceticismo de parte dos governantes, reiterar a realidade é algo recomendável. Divulgada ontem, análise realizada por especialistas em cada um dos Objetivos da Agenda 2030 revela acirramento das violações e o desrespeito aos direitos sociais, ambientais e econômicos.

O Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030, o GT Agenda 2030, lançou, em Brasília, a terceira edição do seu Relatório Luz. A exemplo do que aconteceu em 2017 e 2018, a publicação analisa a implementação dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) no Brasil a partir de dados oficiais.

Desta vez, a análise ganha ainda mais importância, visto que o Brasil foi um dos 47 entes nacionais que haviam se comprometido a mostrar suas políticas nos setores social e ambiental durante o Fórum Político de Alto Nível (High-level Political Forum – HLPF 2019), ocorrido em julho em Nova York, mas o governo federal desistiu de apresentar sua Revisão Nacional Voluntária.

Após a análise das 125 metas que compõem a Agenda 2030, experts mostram que o desafio não é pequeno. “E ele tem se agravado, pois o governo federal tem acirrado os conflitos existentes agravando a vida das mulheres negras, das quilombolas e das indígenas, sem apresentar soluções para pacificar o país; diminui a transparência e os espaços de diálogo; favorece forte tendência de que a judicialização se firme como estratégia para a garantia de direitos e, no geral, tem mantido ou criado novas políticas contrárias ao desenvolvimento sustentável”, diz o relatório.

“Temos 15 milhões de pessoas em extrema pobreza, 55 milhões de pobres, 34 milhões sem acesso à água tratada, mais de 100 milhões sem serviço de coleta de esgoto e quase 600 mil domicílios sem energia elétrica. Quase 50% da flora está sob ameaça radical, o campo e a saúde se veem ameaçados pela liberação de 239 novos tipos de agrotóxicos. O cenário é tenso, com desemprego alto e persistente”, resume o documento.