Publicado em

Com a queda do Produto Interno Bruto (PIB) industrial, de 0,7% no primeiro trimestre deste ano, em relação aos três últimos meses de 2018, já são dois trimestres seguidos com recuo da produção da manufatura brasileira. Esse quadro, além de deixar mais distante ainda a tão esperada retomada do crescimento, ao contrário, sinaliza para a recessão.

De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), no relatório Fato Econômico, elaborado pela entidade, a partir da pesquisa Contas Nacionais Trimestrais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o recuo de dois trimestres seguidos no PIB industrial põe o setor em recessão técnica.

No primeiro trimestre de 2019, a indústria encolheu 0,7%. “A queda é significativa. Nos três últimos meses de 2018, o PIB do setor já tinha caído 0,3%. O investimento, medido pela formação bruta de capital fixo, também sofreu pelo segundo trimestre consecutivo. Esses resultados sugerem que a esperada saída definitiva da crise está em risco”, sublinha a CNI.

Assim como na economia, que ficou menor 0,2% no primeiro trimestre deste ano, o resultado ruim do PIB da indústria demonstra que o País está precisando de algo mais do que as reformas estruturais, como a da Previdência e Tributária, que demandam tempo para o debate e votação na Câmara dos Deputados e Senado Federal. Crescem as pressões para o Banco Central rever sua posição de só baixar a Selic depois da aprovação das reformas constitucionais, e dar um estímulo à economia com juros menores.

O próprio governo parece ter se convencido que é preciso agir, e rápido. Na quinta-feira (30), após o IBGE divulgar o desempenho negativo do PIB de janeiro a março, o ministro da Economia, Paulo Guedes, prometeu que nas próximas semanas anunciará medidas para injetar ânimo na atividade econômica, até mesmo a liberação de recursos de contas ativas do FGTS.

O País atravessou as últimas décadas sem uma política industrial. Entra governo, sai governo, as ações são pontuais. E continua no ar a expectativa em relação ao que o atual governo pretende fazer para o setor.