Publicado em

Nos últimos 21 anos, Caio Queiroz já eliminou mais de 12 mil toneladas de lixo e, em 2014, criou a Mídia Sustentável, uma empresa de pequeno porte que desenvolve, implementa e gerencia programas de gestão e marketing ambiental em companhias e cidades. A empresa já implementou programas de coleta seletiva em bares, restaurantes, condomínios residenciais, bairros, indústrias, na área de construção civil, entre outras grandes ações. “Ano passado, nosso faturamento na reciclagem foi de R$ 1,5 milhão e esperamos crescer 50% mais em 2019”, complementa. Hoje, são sete municípios com o programa implementado.

Mídia Sustentável fatura R$ 1,5 milhão...

Fernando de Noronha (PE), Paraty (RJ), São Sebastião (SP), Trancoso (BA), Saquarema (RJ), Florianópolis (SC) e Peruíbe (SP), onde a Mídia Sustentável conta com apoio de grandes marcas, como  a Elo Cartões S.A; Cervejaria Petrópolis – Itaipava, Ambev – Corona; Ovomaltine, Irobot, Casas Bahia e Água de Coco Obrigado.  De acordo com Caio, o principal case de sucesso é Paraty, município que conseguiram promover uma grande estrutura. “Doamos galpão, prensa para o lixo, esteira para cooperativa, contratamos ONGs para fazer educação ambiental de porta a porta”, diz.

...com gestão e marketing ambiental

 Mas, para o empresário e ambientalista, mesmo falando em cases de sucesso, ainda está longe de ficar perfeito. “Temos um longo caminho a percorrer, realmente transformar o município inteiro não é da noite para o dia, por isso, nossas concessões são de 10 anos, tenho uma longa jornada pela frente”, acrescenta.  O Brasil está entre os países que mais acumulam lixo no mundo, segundo o Fundo Mundial Para a Natureza (WWF). Ocupando a quarta posição, fica atrás apenas de EUA, China e Índia e é responsável pela produção de 1.355.220 milhões de toneladas de lixo plástico/ano.

Legislação boa, fiscalização péssima

 “Como em qualquer outro setor, a legislação ambiental no Brasil, incluindo a destinação do lixo e o saneamento básico, é ótima, mas falta fiscalização”, afirma o empreendedor, que atua neste mercado desde 1997 e diz sonhar com um mundo melhor. Nos primeiros três anos, o programa de coleta seletiva foi implementado em 13 bairros em São Paulo, mais de 280 empresas, 180 condomínios e 14 indústrias. Caio conta que, começou a estudar o projeto em 1998 e atendia desde pequenos estabelecimentos até grandes indústrias.

Parceria com prefeituras e empresas

A empresa promove a reciclagem e a educação ambiental por meio de mobiliários urbanos instalados nas principais ruas das regiões em que atua, patrocinados por empresas. “Quando somos contratados pela iniciativa privada para implementar nossa campanha, parte do valor investido é revertido para ações de coleta seletiva em comunidades, como a parceria com cooperativas, empresas de coleta seletiva locais e o desenvolvimento de campanhas de conscientização para que a população cuide melhor do meio ambiente”, explica Queiroz, sócio da Mídia Sustentável.

Aliança na distribuição

Mais um encontro de gigantes do Professional Cleaning no Rio de Janeiro. Após fechar contrato de distribuição exclusiva com a Diversey, uma das maiores e mais renomadas indústrias de soluções de higiene e limpeza profissional do mundo, a Steffen Professional Cleaning agora dá mais um ousado passo. Acaba de fechar parceria de distribuição com a gigante mundial Kimberly-Clark Professional. A distribuidora carioca, que no próximo ano completará 50 anos de vida, passa a oferecer ao mercado do Rio de Janeiro todo o mix de produtos da empresa para o mercado institucional, através das marcas que são ícones mundiais como Kleenex, Neve, Scott e Wypall.

Startup (I)

A Conta Simples, startup que oferece serviços bancários para micro e pequenas empresas, chega ao mercado como conta digital especialmente criada para facilitar a vida de mais de 8 milhões de Microempreendedores Individuais (MEIs) brasileiros, além de microempresas e pequenas empresas e startups. Trata-se de uma conta de pagamento, modalidade que facilita a inclusão no sistema financeiro e oferece um conjunto de soluções bancárias para os maiores gargalos das empresas. A meta da empresa recém-chegada ao mercado é de abrir mais de 30 mil contas nos próximos 12 meses. “A Conta Simples nasceu para ser 100% focada no público de PJs, com uma conta digital que oferece tudo o que um pequeno empresário precisa, como cartão corporativo, folha de pagamento, sistema de cobrança e, em um futuro próximo, ofereceremos crédito para capital de giro”, diz Rodrigo Tognini, co-fundador da Conta Simples.

Startup (II)

A Mutual, que viabiliza o empréstimo de dinheiro entre pessoas via aplicativo, quer dobrar os empréstimos intermediados em sua plataforma, dos atuais R$ 10 milhões para R$ 20 milhões até o final deste ano. A fintech criou um novo recurso que permite ao investidor (quem empresta dinheiro) adquirir cotas das quantias solicitadas pelos tomadores de empréstimos. Com isso, ele pode diversificar sua carteira de investimentos, aplicando recursos em várias pessoas ao mesmo tempo. Pioneira em oferecer esse tipo de investimento em cotas de empréstimo para pessoas físicas, a Mutual prevê faturar R$ 2 milhões em 2019.  

Empregador tem responsabilidade ...

O empregador deve responder por danos decorrentes de acidente do trabalho em atividades de risco, independentemente de culpa ou dolo. Esse foi o entendimento do STF, em repercussão geral (portanto, deverá ser seguido por todas as instâncias), ao manter decisão do TST condenando uma empresa de segurança e transporte de valores a indenizar um vigilante vítima de transtornos psicológicos decorrentes de um assalto. O julgamento deverá ser retomado em breve para fixação de tese. Para o TST, há responsabilidade objetiva da empresa pelo exercício de atividade de risco na execução do contrato de trabalho e nos casos especificados em lei, com fundamento no art. 927, parágrafo único, do Código Civil de 2002. Ao afirmar tal posicionamento, os ministros entenderam que a Constituição Federal, em seu art. 7º, XXVIII, que aponta a necessidade da culpa ou dolo do empregador como requisito para o dever de indenizar, é compatível com o Código Civil.

... objetiva pelos danos de seus empregados

A controvérsia, segundo o advogado Alexandre Fragoso Silvestre, sócio do Briganti Advogados, girou em torno da indenização ser devida apenas no caso de dolo ou culpa ou em situações nas quais a responsabilidade é objetiva. “O tema é extremamente relevante e caminha para relativizar o art. 7º, XXVIII, da Constituição e permitir que, em alguns casos, a responsabilidade do empregador será objetiva”, avalia, ao exemplificar com outros casos de responsabilidade objetiva como bancário que apresenta Lesão por Esforços Repetitivos (LER), ou quando há danos aos empregados de empresas de segurança, como nesse julgamento. A seu ver, trata-se de mais um ponto de atenção e alerta para os empregadores. “As empresas deverão estar mais atentas aos riscos que seus empregados estão sujeitos porque, em caso de dano, a responsabilização tenderá a ser certa, independentemente da análise de culpa ou dolo”, conclui Silvestre.

Otimismo no mercado de FIDC

A taxa de crescimento do mercado de FIDC (Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios), desde 2016, vem superando a do crédito bancário, refletindo a capacidade deste mercado de atender de forma diversificada e customizada as demandas típicas do mercado tomador. A One7,empresa especializada em soluções inteligentes em recebíveis, constata esta alta e cresceu 9% em julho de 2019, contra junho. “Nossa expectativa é de avanços, considerando que apenas no primeiro semestre deste ano atingimos 70% do volume total operado em 2018. Parte do otimismo está relacionado ao fato que no segundo semestre o volume operado em antecipações de recebíveis ser 32% maior que no primeiro semestre, segundo o histórico dos últimos dois anos da One7”, afirma Everaldo Moreira, sócio-fundador da One7.  Aquecimento da indústria no segundo semestre e o movimento geral da economia justificam a alta.O segmento Multicedente Multissacado representa uma fatia de 17% do mercado de FIDC com Patrimônio Líquido consolidado de R$17 bi, segundo a Uqbar, representando um dos mais destacados do mercado nacional de FIDCs, devido a crescente dimensão e a importância no fomento de pequenas e médias empresas. 

‘Amor’ gratuito

A BB Seguros, patrocinadora exclusiva do musical Isso Que É Amor, promove hoje uma sessão gratuita ao público. O ensaio aberto acontece às 20 horas no Teatro das Artes, Shopping Eldorado, onde cumpre temporada até o dia 27 de outubro com sessões de sexta a domingo. Em seguida, a peça dirigida por Ulysses Cruz fará turnê por seis capitais - Curitiba ( 2 e3/11), Brasília (9 e 10/11), Porto Alegre (16 e 17/11), Belo Horizonte (de 22 a 24/11), Fortaleza (14 e 14/12) e Rio de janeiro (9  a 16 de fevereiro de 2010). Com idealização do produtor Gustavo Nunes, da Turbilhão de Ideias, o musical aborda uma história de amor emoldurada com as músicas de Luan Santana.

Inspiração em Heitor dos Prazeres

Legenda: O espetáculo, pensado para os dias atuais, afirma positivamente o Brasil e a nossa cultura, mesmo que de uma maneira abstrata e contemporânea. Foto: Hernandes de Oliveira.

A condição dos povos excluídos, a investigação do sujeito anônimo e a possibilidade de levá-lo a um nível visível são propostas do E² Cia de Teatro e Dança que estão presentes no espetáculo “Dos Prazeres”, dança criada a partir de referências do artista plástico e sambista Heitor dos Prazeres (1898 —1966) que faz temporada no Centro de Referência da Dança entre 11 e 19 de setembro de 2019, na capital paulista. A direção de arte é de Hernandes de Oliveira e a coreografia e direção geral são de Eliana de Santana. Em cena, o público se depara com um chão repleto do brilho e da fragilidade de confetes de papel, indicando um período pós-carnaval. Há um contraste com a parede escura e com uma luz branda. Os figurinos são brilhantes, compondo junto com o confete uma espécie de memória do carnaval clássico.

 

Liliana Lavoratti é editora de Fechamento - liliana@dci.com.br