Publicado em

As ameaças à vida do repórter da TV Globo Carlos de Lannoy e seus familiares, pelas redes sociais, no domingo (7), após a exibição de reportagem no programa Fantástico, na qual o jornalista mostrava a ação do Exército que terminou na morte de Evaldo dos Santos Rosa, músico de 51 anos, no Rio de Janeiro, é um sintoma sério do risco em que se encontra a liberdade de expressão e a pluralidade do pensamento em nosso país. O fato aconteceu justamente no Dia do Jornalista, e ilustra bem uma realidade triste: a periculosidade da profissão no Brasil, o 10º país do mundo com o pior índice de impunidade em crimes contra jornalistas.

Impunidade de crimes contra jornalistas

A conclusão é do relatório “Impunity Index” (Índice de Impunidade), divulgado pelo Committee to Protect Journalists (CPJ) em outubro último. É a nona aparição (oitava seguida) do país no ranking, que é publicado desde 2008. No Twitter, Carlos de Lannoy mostrou a mensagem recebida. “Minutos depois de fazer reportagem no #showdavida sobre mais uma morte em blitz do @exercitooficial recebi essa ameaça no meu Instagram. Não ficará assim”, escreveu, lembrando que as ameaçadas dirigidas a ele são crimes previsto no ordenamento jurídico brasileiro.

Prisão de militares

O Comando Militar do Leste (CML) determinou ontem a prisão de dez militares suspeitos de “descumprimento de regras de engajamento” em decorrência de um incidente que resultou na morte de um homem e feriu outros, com cerca de 80 tiros desferidos contra o carro em que as vítimas se encontravam. Segundo a nota, inconsistências entre os fatos reportados pelos militares envolvidos no incidente e informações posteriores conduziram ao afastamento da tropa envolvida no episódio, e 10 de 12 militares ouvidos pelas autoridades militares tiveram a prisão decretada.

‘Tudo o que foi apurado é que...

O delegado Leonardo Salgado, da Delegacia de Homicídios, que está investigando o caso, afirmou em entrevista à TV Globo que, "tudo indica" que os militares confundiram o carro da família com o de assaltantes. "Foram diversos, diversos disparos de arma de fogo efetuados e tudo indica que os militares realmente confundiram o veículo com o carro de bandidos. Mas neste veículo estava uma família", contou, segundo o Estadão Conteúdo. "Não foi encontrada nenhuma arma (no carro). Tudo que foi apurado era que era uma família normal, de bem, vítima dos militares."

...era uma família normal’

Ainda em entrevista à TV Globo, o delegado reclamou do fato de os militares não terem prestado depoimento à polícia civil. "Não vejo legítima defesa", disse sobre o fuzilamento do carro. "Pela quantidade de tiros, tudo aponta para prisão em flagrante." A deputada estadual Renata Souza (PSOL), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), pretende entrar no Ministério Público Federal com uma representação pedindo investigação da morte. "O que significa 80 tiros em um carro numa tarde de domingo na zona norte?", criticou.

Parceria para monitoramento

O Grupo Bureau Veritas, líder mundial em Teste, Inspeção e Certificação (TIC), e o Grupo OSMOS, de monitoramento de infraestrutura e subsidiária do EREN Groupe, firmaram parceria global para desenvolver a próxima geração de serviços integrados de inspeção e monitoramento estrutural. “O Bureau Veritas implementará inspeções integradas de forma mais eficiente e testará os ativos no momento e local certos. Isso nos permitirá ajudar os clientes a melhorarem a segurança e a confiabilidade de suas infraestruturas, otimizando os custos operacionais e de manutenção”, diz  Gianclaudio Oliva, líder de Mercado de Construção e Infraestrutura do Grupo Bureau Veritas. “Nessa parceria, combinaremos nossa reconhecida expertise com nossas tecnologias e know-how. Essa colaboração constitui um marco importante em nosso desenvolvimento internacional e está alinhada com nosso objetivo de levar as soluções mais abrangentes e integradas aos clientes”, explica Patrice Pelletier, vice-presidente do Grupo OSMOS.

Mercado da longevidade

O público 50+, ou pessoas a partir dos 50 anos de idade – em torno de 54 milhões de indivíduos segundo o IBGE – movimenta R$ 1,8 trilhão ao ano na economia e representa 42% do consumo das famílias brasileiras de acordo com o Instituto Locomotiva. Com foco nesse público, que não se sente representado pelas marcas e no mercado de consumo de maneira geral, novos negócios estão surgindo. Um deles é a Inonni, primeira plataforma de produtos e serviços desenvolvida exclusivamente para atender as necessidades dos 50+. Ela é pioneira ao reunir, em único local, uma infinidade de produtos de diversas marcas, como itens de higiene, segurança, mobilidade, alimentaç ão, além de serviços como médicos que atendem em sistema home care, agendados diretamente pela plataforma, cuidadores, “netos emprestados”, aulas de tablet e smartphone, companhia para lazer, aulas de música, viagens, intercâmbios, entre outros.

Quarta Revolução Industrial

Diferente das outras revoluções, desde a primeira com as máquinas a vapor, depois a elétrica e mais recentemente, a informática, a Quarta Revolução manda embora todas as fronteiras físicas, biológicas e digitais. O CEO da Apple Jim Cook, por exemplo, considera a realidade aumentada tão impactante quando a criação do smartphone. “Novamente vamos ver mudar nossa forma não só de produzir, mas de conversar, de comer, de nos curar, tudo, tudo vai mudar”, afirma. Esse é o tema a ser debatido nesta quarta-feira (10), em São Paulo, na Jornada para a Industria 4.0. Estarão reunidos 300 empresários para discutir a chegada do futuro ao Brasil e conhecer in loco, equipamentos e softwares da nova revolução. Um dos convidados é Rodrigo Marangon, CEO no Brasil da Rockwell Automation Inc, que promove o evento e maior empresa do mundo em automação industrial e emprega atualmente 23.000 pessoas atendendo clientes em mais de 80 países.

E-notariado

O Conselho Federal do Colégio Notarial do Brasil (CNB/CF), em parceria com o Serpro, empresa de Tecnologia da Informação do Governo Federal, apresenta hoje, em Brasília, uma plataforma para modernização de serviços notariais no Brasil: o e-notariado. Plataforma de serviços online, o e-notariado permitirá que todos os brasileiros possam assinar documentos por meio do site (www.e-notariado.org.br) ou do aplicativo já disponível na Apple Store e na Google Play. Para ter acesso aos serviços oferecidos, é necessário, primeiro, ir até um Tabelionato de Notas e emitir, de forma gratuita, um certificado digital, com o qual o cidadão pode acessar o site ou aplicativo para assinar documentos, solicitar atas notariais e emitir procurações, autorizações de viagens e certidões de maneira rápida e segura.

Entre os cem mais visitados

O CCBB está entre os 100 centros culturais e museus mais visitados do mundo no ano passado. (Foto: Divulgação)
 

A publicação inglesa The Art Newspaper incluiu o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) entre os 100 centros culturais e museus mais visitados do mundo em 2018. E o CCBB permanece como destaque do Brasil, ocupando quatro dos cinco espaços culturais do país citados na edição. Na classificação geral, o CCBB Rio de Janeiro aparece em 42º lugar, com 1.388.664 visitantes, o CCBB Brasília em 57º, e público de 1.146.995, o CCBB São Paulo em 85º, com 931.980 pessoas, e o CCBB Belo Horizonte no 93º posto, com 893.772 visitantes. Na listagem geral, que traz as exposições mais visitadas do planeta, o CCBB RJ obteve o 11º posto com FILE, o 26º com” Ex Africa”, o 46º com “Construções Sensíveis” e o 51º “Erwin Wurm – O Corpo é a Casa”. A mostra “Jean-Michel Basquiat” conquistou o 36º lugar no CCBB São Paulo e o 93º no CCBB Belo Horizonte, que também está no ranking com as exibições de FILE, em 77º eMuseu do Futebol na Área, em 91º.

 

 Liliana Lavoratti é editora de Fechamento - liliana@dci.com.br