Publicado em

A inovação tecnológica está ameaçando algumas profissões ao desaparecimento e, outras, ao encolhimento. Mas existem também aquelas que, obrigadas a se adequarem às mudanças no ambiente de trabalho, buscam a renovação de suas funções, caso dos contabilistas, na avaliação de Marcia Ruiz Alcazar, 46 anos, a presidente do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo (CRC-SP) nos próximos dois anos. Empresária contábil, líder feminina da categoria e entusiasta pelos direitos plenos das mulheres, ela escolheu a inovação como uma prioridade de sua gestão, que também trabalhará para “dar mais voz ativa aos profissionais”.

Tecnologia e sobrevivência

“O foco em tecnologia é questão de sobrevivência. As transformações digitais mudaram o perfil da profissão e de todo cidadão que precisa estar adaptado e conectado”, diz Ruiz Alcazar. Com a Contabilidade “no DNA”, a decisão de ser cientista contábil foi inspirada na família. “Sou a terceira geração de contadores em casa. Meu avô materno era ‘guarda-livros’ em empresas privadas e meu avô paterno foi contador na Prefeitura de São Paulo. Meus pais se conheceram numa organização contábil e eu nasci no ano em que eles reativaram antiga empresa de contabilidade da família”.

Contabilidade no DNA

Essa empresa reativada é a que existe até hoje, a Seteco (Serviços Técnicos Contábeis), onde ela atua ao lado dos pais e mais dois irmãos e lidera uma equipe de 150 profissionais. A presidente do CRC-SP é otimista com o futuro. “Seremos mais valorizados porque deixaremos de ser generalistas. A desburocratização e digitalização do sistema contábil não excluirão nossos serviços. Seremos cada vez mais especialistas em contabilidade pública, privada, na área médica, terceiro setor, etc. Entenderemos normas contábeis, mas também da gestão dos negócios”, sublinha.

Mulheres avançam...

Em 1994, o CRC-SP foi presidido interinamente por uma mulher durante três meses, mas esta é a primeira vez que 151 mil contabilistas paulistas elegem uma representante feminina para comandar a entidade responsável pelo registro e fiscalização do exercício da profissão contábil, além de desenvolver e reciclar os profissionais. “Existem muitos desafios, sobretudo no que se refere aos direitos plenos das mulheres e os critérios de promoção. Em muitos casos, homens são promovidos simplesmente por apresentarem um futuro potencial”, comenta Ruiz Alcazar.

...rumo à igualdade

As mulheres ainda têm de provar que estão prontas para funções mais complexas. “O importante é ter competência e atitude e isso não está relacionado a gênero, mas sim ao comportamento humano”, ressalta. Mulheres exercendo a profissão contábil, como contadoras ou técnicas, cresceram 83,94% na última década, contra 28,08% de homens. No Brasil são 226 mil mulheres e 302 mil homens (contadores e técnicos). No Estado de São Paulo, 62,5 mil mulheres e 89 mil homens.  “Em breve alcançaremos a igualdade em registro nos Conselhos”, diz Ruiz Alcazar.

Oásis de emprego

Dados divulgados pelo IBGE anteontem (31) mostraram que o setor de alimentação contribuiu para manter os empregos no Brasil, nos últimos seis anos. O setor empregou 21,4% a mais do que em 2014, gerando 907 mil empregos com carteira assinada. Só a rede de restaurantes Madero, por exemplo, contratou quase 500 novos funcionários na capital e no interior e abriu no Estado de São Paulo 13 novos restaurantes. "Empresas que mantêm uma política constante de qualidade e inovação têm maior possibilidade de continuar crescendo em momentos difíceis. Nossa política sempre foi de respeito à crise, mas com foco e planejamento futuro", diz o chef Junior Durski, presidente do Madero.

Provedores regionais em alta

A cada cinco novas residências que fazem o contrato do serviço de internet no Brasil, quatro são atendidas por provedores regionais. De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), no primeiro trimestre de 2017, cerca de 80% de novos acessos à internet aconteceram por meio de provedores regionais. A Cianet, empresa de produtos e desenvolvimento de tecnologia para o mercado de provedores regionais de internet, faturou R$ 52 milhões em 2017, alta de 16% em relação a 2016. Para 2018, a companhia quer ampliar o ritmo de crescimento para a casa de 25%. Baseada em Florianópolis (SC), a prestadora de serviços tem mais de 20 anos de atuação, com clientes em todo o Brasil. As soluções são criadas em conjunto com os provedores, e assim o usuário final tem suas necessidades resolvidas, além de obter uma melhor experiência.

Mecenato de musicais

“Senna, o musical”, que leva aos palcos a história do ídolo do automobilismo Ayrton Senna, e com estreia marcada para março em São Paulo, é um dos espetáculos patrocinados pela Atlas Schindler, via Lei Rouanet. A empresa também apoia o musical “Se meu apartamento falasse...”, que fica em cartaz até o dia 24 de fevereiro na capital paulista. Com Marcelo Medici, Malu Rodrigues, Maria Clara Gueiros e Marcos Pasquim no elenco, e produção assinada por Charles Möeller & Claudio Botelho, a trama cômica escrita por Neil Simon foi levada aos cinemas em 1960 e ganhou cinco Oscar, incluindo Melhor Filme. Em 2017, a ajuda foi para os musicais “Hebe”, sobre a vida de Hebe Camargo; “Vamp”, baseado na novela dos anos 90; a revitalização e modernização do Teatro Riachuelo, no Rio de Janeiro, e o espetáculo “Meu querido maestro”, com previsão de estreia no segundo semestre deste ano, e que contará a vida do maestro João Carlos Martins.

Tecnologia na gestão pública

Estão abertas as inscrições para o HubGov 2018, programa interinstitucional de inovação em governo, que incentiva o empreendedorismo e novas práticas dentro dos órgãos públicos. A edição deste ano vai acontecer simultaneamente nos estados de São Paulo, Goiás, Santa Catarina e no Distrito Federal. Em 2017, a capacitação, oferecida pela empresa social catarinense WeGov, formou servidores públicos de 14 instituições como Correios, Justiça Eleitoral e Secretarias de Segurança. Inscrições e informações no site www.wegov.net.br.

*Liliana Lavoratti é editora de Fechamento

liliana@dci.com.br