Publicado em

Na contramão do que vem sendo defendido pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) e sua equipe de governo de transição – afastar o Brasil do BRICS e se aproximar mais dos Estados Unidos e seus aliados –, o bloco que reúne Brasil, pela Rússia, Índia, China e África do Sul, estreitaram lanços ontem em Xangai, na China. O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), criado no âmbito do BRICS, ampliará a sua atuação no Brasil. O escritório regional da instituição para as Américas, na capital paulista, será inaugurado até maio de 2019, possivelmente por ocasião do Brazil Investiment Forum, em São Paulo, conforme ficou acertado ontem em Xangai.

Na contramão de Bolsonaro

O estreitamento entre a cooperação multilateral entre os países do BRICS foi tema da reunião, ontem, em Xangai, entre o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, e o presidente do NDB, Kundapur Vaman Kamath. Hoje, a instituição financia mais de US$ 600 milhões em projetos nas áreas de infraestrutura, transportes e saneamento básico no Brasil. Vaman Kamath também falou sobre os "estudos para a futura adesão de novos membros e reforçou-se a prospecção de projetos a serem financiados no Brasil”.

Acesso a governos e empresas

“A representação do NDB no Brasil facilitará o acesso de empresas e instituições públicas ao banco e dinamizará os trabalhos de prospecção e elaboração de projetos”, afirmou o presidente do NDB, de acordo com a Agência Brasil. Segundo ele, em pouco tempo, deverão ser definidos os critérios para expansão do número de membros no banco, medida necessária para que o banco se torne uma instituição financeira de âmbito global. O ministro Aloysio Nunes destacou que o NDB é uma das principais realizações já alcançadas no âmbito do bloco.

Entretenimento e hotelaria, alvos...

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), encerrou ontem missão comercial pelo Oeste dos Estados Unidos buscando atrair empresas da região para o processo de concessões e privatizações de São Paulo. Antes da viagem, ele disse publicamente acreditar que o Plano Municipal de Desestatização vai deslanchar sem os entraves surgidos no período eleitoral. No roadshow de dois dias, por Las Vegas e Los Angeles, o prefeito manteve contatos com cerca de 60 executivos de empresas e fundos de investimentos, boa parte do setor de hotelaria e entretenimento.

..de Covas nos Estados Unidos

Entre eles, Chuck Steedman, COO da AEG (Anschutz Entertainment Group), um dos maiores conglomerados internacionais de esporte e entretenimento, que faz a gestão de mais de 100 arenas desportivas pelo mundo. Bruno Covas também reuniu-se com o empresário Sheldon Adelson, do Las Vegas Sands Corporation, dono do cassino The Venetian, que teria demonstrado interesse pelo Complexo do Anhembi, um dos ativos do município em processo de licitação. Juan Quirós, presidente da SP Negócios, organizou a missão comercial e acompanhou Covas na viagem.

‘Ameaça é o super Ministério’

"Temos 33 anos de estabilidade política, judiciário independente, investigação autônoma da corrupção e uma imprensa forte. Há riscos, um deles é a criação de um super Ministério da Economia. Isso já deu errado no passado, durante o governo Collor. A visão positiva é que os maus governos são substituídos no Brasil. Eles não se perpetuam, seja pela via eleitoral ou por que são interrompidos". A afirmação foi feita ontem pelo ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega, em evento promovido pela Reag Investimento, em São Paulo.

‘Não pelas reformas, mas oposto ao PT’

Palestrante no mesmo evento, o cientista político Demétrio Magnoli disse que Bolsonaro, que pertencia a um partido de três letras e até então era desconhecido, se coloca como protagonista contra o establishment. "No fundo, Bolsonaro não ganhou para ser um grande reformista, mas para ser o modelo oposto do PT. Isso eu vejo com certo receito", alertou refletindo que "a composição dessa governabilidade é um grande ponto de atenção". O cientista político relembrou ainda a fala do presidente eleito, que propõe a fixação da idade mínima para aposentadoria, 61 anos para os homens e 56 para mulheres. "Na prática, isso não funciona. Mas aqui tudo pode dar certo, ou não", descontraiu.

O que será, que será

Mesmo após a conclusão da campanha eleitoral, continua difícil prever o comportamento do mercado de escritórios nos próximos anos e após um período de crise do setor. Para a Buildings Pesquisa Imobiliária, o ciclo de 2020/2021 será marcado por vacâncias equalizadas nas regiões primárias (principais mercados) e preços em elevação de forma geral.  “Passados os últimos anos de crise e incertezas, temos um cenário bem mais claro do que está por vir, principalmente no mercado de escritórios em São Paulo. Com a previsão de crescimento no PIB e ainda algumas regiões de São Paulo com boas oportunidades de preço, estimamos um próximo ano de muitas movimentações”, diz Fernando Didziakas, sócio da Buildings.

Cartão do timão

A digitalização da economia está se espalhando e chegando às mais diversas atividades. A  ViViPAY, líder em meios de pagamento, fez parceria com o Sport Club Corinthians Paulista para criar o “Cartão do Timão by ViVi”. É um cartão pré-pago de baixo custo, com bandeira Mastercard, atrelado a uma conta digital com inúmeros benefícios à fiel torcida dados pelo time. “O foco dessa parceria é oferecer pacotes de produtos altamente relevantes para os apaixonados pelo Timão, mas também serviços diferenciados a aqueles que não possuem conta em banco ou cartão de crédito, promovendo acesso a serviços financeiros e médicos essenciais”, explica Marco Scabia, presidente global da ViViPAY.

É sábado