Publicado em

O presidente Jair Bolsonaro disse pretender viajar à China no segundo semestre deste ano, em um esforço para tentar manter uma relação próxima com o principal parceiro comercial do Brasil. Na avaliação do presidente, mesmo após certa tensão diplomática vinda do território brasileiro após a mudança do governo, o presidente firmou que a relação com o país asiático “vai melhorar, com toda a certeza”. De acordo com ele, o plano do governo é se “aproximar do mundo todo, ampliar negócios, abrir novas fronteiras e assim será o nosso governo, essa foi a diretriz dada a todos os nossos ministros”, disse Bolsonaro, na sexta-feira, em Brasília.

Contexto

A fala de Bolsonaro se deu após a nomeação dos novos embaixadores brasileiros pelo mundo, incluindo o chinês Yang Wanming. O presidente afirmou ainda que, ao contrário do que a imprensa costuma dizer, tem respeito e admiração pelo país asiático. “O presidente Bolsonaro manifestou grande interesse de ampliar a aprofundar a relação com a China. Pessoalmente, como embaixador, me sinto muito satisfeito”, disse. Sobre a crítica feita por Bolsonaro de que a China estaria comprando o Brasil, ele desviou do assunto e garantiu que os ânimos estão todos calmos.

Paraguai também quer se aproximar

Antes do presidente do Paraguai, Mário Abdo Benitez, ser recebido por Jair Bolsonaro amanhã (12) para tratar de Mercosul, obras binacionais de infraestrutura, do desequilíbrio financeiro na Usina de Itaipu e da crise na Venezuela, sua equipe econômica se reunirá com um grupo de empresários em São Paulo para fomentar as relações comerciais entre os dois países. O encontro acontece hoje (11) em jantar organizado pelo advogado e empresário Nelson Wiliams, que estuda a abertura de uma representação de seu grupo NWADV no país vizinho ainda neste semestre.

Você já ouviu seu funcionário hoje?

Ouvir seus colaboradores parece um conselho antigo, mas é muito eficiente. Um bom exemplo disso é a Condor, empresa que atua em setores da higiene, limpeza e pintura. Há 15 anos, a companhia criou o Grupo de Melhorias Condor (GMC) formada pelos colaboradores para revisar as práticas de produção nas áreas fabris. E deu muito certo. No período a iniciativa coletou mais de 4.063 sugestões. Em 2018 os funcionários apresentaram 762 ideias. Localizada em São Bento do Sul (SC) a empresa usa o diálogo com funcionário como motor para maior eficiência operacional.

Economia milionária

Para Alexandre Wiggers, presidente da Condor e funcionário da empresa há 30 anos, o foco da iniciativa é reunir boas ideias e dar voz à todos, mas o benefício é bem maior que isso. Segundo ele, nos 15 anos em que a prática é aplicada já foram economizados cerca de R$ 8,3 milhões com a implementação de mais de 1,7 mil sugestões. Ele cita como exemplo dessa eficiência produtiva uma ação que se deu na pintura, onde houve diminuição de 15% nas horas extras dedicadas à produção de rolos, ou então quando houve alta de 48,92% na produção de pincéis artísticos.

PLANO DE VOO