Publicado em

Grande parte dos cargos de decisão nas empresas ainda é ocupada por executivos pertencentes à chamada geração de migrantes digitais (pessoas com mais de 26 anos que, ao contrário dos nativos digitais, conheceram a vida antes da Internet). Esse é um dos fatores da vulnerabilidade das corporações às ameaças cada vez mais constantes, os ciberataques. “Esses gestores que atuam hoje nas companhias não foram ‘educados’ para considerar a cibersegurança algo tão relevante como outros departamentos”, enfatiza Cleber Ribas, vice-presidente da Blockbit no Brasil – empresa global de produtos de cibersegurança há dois anos operando no Brasil.

Migrantes digitais no comando...

A Blockbit está há dois anos no mercado brasileiro. Somente em 2017, elevou em 97% seu faturamento. Além disso, a empresa aumentou significativamente seu número de canais, pulando de 22 para mais de 130, junto com a porcentagem de vendas feitas pelos canais de 5% a 90%. O desempenho da empresa é atribuído também à abrangência ampla dos produtos da Blockbit, segundo o executivo. “Nossos produtos estão alinhados com as últimas tendências globais do mercado de cibersegurança: previnem ataques, detectam ameaças, respondem a incidentes e preveem falhas”, diz Ribas.

...de empresas demandam cuidados

Embora o mercado financeiro continue como o maior investidor em cibersegurança, Cleber Ribas acredita que fabricantes de equipamentos de saúde e prestadores de serviços nessa área, em breve, terão participação relevante nesses investimentos. “A Internet das Coisas vai influenciar a indústria da saúde, que cada vez mais fará uso de máquinas, o que vai requerer ações de prevenção dos dados de pacientes e tratamentos”, comenta o vice-presidente da Blockbit. Além de São Paulo, a companhia tem escritórios em Miami (EUA) e Londres (Inglaterra).

Parceria agrega valor às viagens aéreas

Apostando na tendência global na aviação, de agregação de valor às passagens aéreas por meio da oferta de mais benefícios aos passageiros, a TAP Air Portugal anunciou ontem, em São Paulo, parceria inédita com a seguradora April Brasil. “A partir de 15 de julho, clientes que voarem com a TAP ganharão os três primeiros dias de seguro viagem da April Brasil, bem como descontos de 20% a 25% no período adicional do seguro contratado”, disse o diretor da TAP para Brasil e Argentina, Mario Carvalho. “Queremos garantir uma experiência de viagem cada vez mais completa.”

Antecipando tendência global

Com a estratégia adotada pelas duas empresas para fortalecer a marca no Brasil, a April Brasil espera totalizar 15 milhões de dias do novo produto, durante os cinco primeiro anos de duração do acordo. De acordo com Luiz Gustavo da Costa, CEO da April Brasil, a seguradora investiu R$ 20 milhões para a versão do seguro viagem exclusivo para clientes da TAP, que tem 82 voos semanais de várias partes do Brasil para a Europa. Com cobertura mínima de 30 mil euros em despesas com saúde, o seguro custará US$ 3,5 ao dia, ou US$ 24,50 para dez dias, incluindo três diárias grátis.

Na torcida

A aprovação de uma patente ainda continuará demorando cerca de onze anos no Brasil. Argentina e países da União Europeia concedem uma patente em aproximadamente seis anos. E a Coréia, assim como a China, esse prazo não vai além de dois anos. Soluções para acelerar a concessão de patentes, indispensável para atrair investimentos no Brasil, estão no radar dos debates do 38º Congresso Internacional de Propriedade Intelectual, da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI), que contará com a participação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso, e os presidentes dos Institutos de Propriedade Industrial do Brasil, Portugal, Argentina, Costa Rica, Espanha, Uruguai e Chile.  O evento acontecerá de 19 a 21 de agosto, em São Paulo.

Nova realidade para mulheres

Uma polêmica em Portugal - o lançamento de um livro infantil, no qual as atividades voltadas "para os meninos" eram mais complexas do que "para as meninas" – e a importância de projetar um  futuro melhor para as crianças, inspirou a primeira edição do Rock in Rio Lisboa, um dos maiores festivais de música do mundo, a organizar um painel voltado a fomentar propostas para uma nova realidade para mulheres no Brasil. A iniciativa faz parte do Innovation Week, outra novidade do Rock in Rio em Lisboa. O painel, em parceria com o Echos, laboratório de inovação que utiliza o design thinking para propor soluções transformadoras da realidade. "A ideia é propor exercícios lúdicos e práticos visando a construção de um futuro melhor para as mulheres no Brasil, trabalhando também com a importância de que isso seja projetado nas crianças, garantindo assim uma geração mais consciente e capaz de compreender e mudar a realidade ao seu redor", garante Mário Rosa, sócio e responsável pela Echos Brasil.

Liliana Lavoratti é editora de fechamento

liliana@dci.com.br