Publicado em

Incorporar no Brasil ficou difícil nos últimos anos, com a retração da economia, redução de emprego e renda e, em consequência, queda nas vendas, mas a crise não aconteceu para a TPA Empreendimentos, pioneira na aposta de renovação da região central de São Paulo. A construtora e incorporadora foi a primeira a voltar a construir prédios residenciais novos no centro da cidade e, hoje, já acumula oito empreendimentos entregues e mais dois em obras. “Sempre gostamos de desafios e foi preciso buscar negócios que as grandes construtoras não faziam”, justifica Mauro Teixeira Pinto, sócio-diretor da TPA, companhia de médio porte.

Centro de São Paulo e Alto de Pinheiros

Essa história começou em 2007, quando a empresa ergueu o condomínio Novo Centro Arouche, na avenida Duque de Caxias, numa época em que a oferta de novas unidades residenciais no Centro era zero. Teixeira Pinto conta que a TPA também foi pioneira em lançar empreendimentos no Alto de Pinheiros, no final da década de 1980, abrindo os olhos do mercado imobiliário para o potencial do bairro. A investida ousada no Centro da capital paulista seguiu a mesma lógica. “A região se mostrou mais um nicho desafiador, capaz de nos diferenciar no mercado”, enfatiza.

‘Resgate civilizatório’

A experiência de mais de uma década no Centro já permite à TPA entender o que o mercado quer. Isso envolve a parceria com um arquiteto de linhas modernas e uma tipologia de condomínio médio, entre 100 e 200 unidades, tamanho ideal para administração futura dos imóveis. Em busca de “resgate civilizatório” na região, a incorporadora também investe no retrofit. Somente neste ano, a linha de prédios executados chegou ao décimo empreendimento: o Jacques Pilon Residence, em fase final de obras, originalmente comercial.

Retrofit de comercial para residencial

“O Jacques Pilon Residence , significa também um novo desafio para a empresa. A ideia é resgatar com respeito e qualidade a exuberância do projeto de um dos arquitetos modernistas mais importantes do Brasil ao mesmo tempo em que inclui eficiência nos sistemas instalados. A troca dos caixilhos por modelos de alto índice de isolamento acústico é um exemplo”, explica o sócio-diretor da TPA. O edifício será entregue em breve totalmente retrofitado para um residencial com suítes equipadas e mobiliadas de 19,70 m² a 41,37 m².

R$ 150 milhões em vendas

“O Centro é um bom lugar para viver hoje em São Paulo: oferece transporte público, o valor dos condomínios é menor que em outras regiões, os investimentos imobiliários buscam conversar com as características do bairro”, argumenta Teixeira Pinto. Ele destaca, por exemplo, que alguns prédios de moradia adotam o conceito home bikers (sem vaga para carros, mas garagem para bicicletas). Com essa estratégia, a TPA continua crescendo “bem”: neste ano chegará a R$ 150 milhões em Valor Geral de Vendas (VGV), contra R$ 120 milhões em 2018 e R$ 80 milhões em 2017.

De olho nos lançamentos

O empresário Felipe Samy: aposta nas campanhas de marketing direcionadas. (Foto: Divulgação)

 

Com 600 empresas no portfólio e mais de 120 mil produtos cadastrados, a catarinense Gofind cresceu 300%, em 2018, e pretende repetir o número este ano. O foco é resolver uma das principais dores da indústria: melhorar a experiência do cliente online-to-offline e direcionar o investimento em campanhas de marketing de forma mais assertiva, principalmente no lançamento de produtos. Considerada pela ABStartups como um case de sucesso de Joinville - SC, a startup oferece um localizador de produtos que utiliza inteligência artificial para auxiliar empresas de todo o país a mostrar aos consumidores quais são os pontos de venda nas proximidades que possuem determinados produtos em estoque. E garante, com a plataforma, as campanhas de lançamento de produtos chegam a ser até 30% mais eficientes. "Sem um estudo inicial da disponibilidade dos produtos em cada região, as marcas costumam gastar toda a verba de marketing em uma ação que atingirá a massa, mas acabam frustrando muitos clientes que não encontram esses produtos em estabelecimentos que frequentam. E quando conseguem dados para segmentar suas campanhas, a parte financeira já foi toda comprometida”, explica Felipe Samy, cofundador da plataforma.

Do auge da carreira ao sabático

Em “45 Do primeiro tempo” (Literare Books International), o jornalista Patrick Santos revela a sensibilidade de um homem que decidiu se reinventar. “Assumi a responsabilidade de governar o próprio destino, tirei um ano sabático para refletir e mergulhei no autoconhecimento. Diferentemente do que acontece em uma partida de futebol, na vida não há um juiz para apitar o fim do primeiro tempo, com intervalo para analisar e rever táticas de jogo. Para mim, o apito aconteceu aos 45 anos de idade: hora em que resolveu descer ao vestiário”, diz o autor, que atuou 20 anos como jornalista, dos quais cinco como executivo de comunicação e âncora de um de programas no rádio. “Amadureci e me tornei um homem forte e destemido por fora, mas por dentro continuava o menino consumido por um vazio existencial sem tamanho. A ausência do meu pai me constituiu”, relata Santos, que dá ao leitor elementos para questionamentos e lições que mostram a necessidade do hábito de refletir sobre a própria vida, além de estimular a mudança e o desenvolvimento pessoal. Agora, ele segue para o segundo tempo.

‘Mil e uma Noites’ no palco

Dois palhaços disputam espaço para contar as aventuras de um marujo pelos mares da África e da Ásia, com números aéreos cheios de destreza. (Foto: Divulgação)                                                                                                                

Adaptação do clássico “As Mil e Uma Noites”, que reúne contos árabes como “Ali Babá e os Quarenta Ladrões”  e “Aladim e a Lâmpada Maravilhosa”,  “Simbad, o Navegante”  reestreia amanhã (11) no Teatro Alfa. A peça é o quarto trabalho para crianças da Cia. Circo Mínimo e foi considerado pela crítica como um dos melhores espetáculos infantis de 2015,  e contemplado pelos prêmios São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem (2015) em quatro categorias (Melhor Espetáculo Infantil, Melhor Ator para Ronaldo Aguiar, Melhor Iluminação para Wagner Freire e Melhor Direção para Carla Candiotto).

 

Liliana Lavoratti é editora de fechamento - liliana@dci.com.br