Publicado em

Atualizado em

O cenário brasileiro de investimento corporativo está aquecido e vai crescer. As tendências são múltiplas e vão desde tecnologias para construção até saúde e gestão. Startups brasileiras estão na mira de grandes empresas para oferecerem soluções tecnológicas. “No Brasil, as grandes empresas estão investindo e ampliando sua participação no contato com startups: um salto de 363 empresas em 2011 para mais de 1.800 em 2017”, ressalta o britânico James Mawson, da Global Corporate Venturing, um dos parceiros do Corporate Venture in Brasil, evento realizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

US$ 360 milhões para US$ 640 milhões

Para aproximar empresas, startups, soluções, fundos e investidores, o evento acontece no hotel Intercontinental, em São Paulo até hoje. Neste ano, só no primeiro semestre, mais de US$ 85 bilhões em investimentos corporativos foram registrados no mundo e o momento é ótimo também para o Brasil se consolidar na cena de tecnologia e inovação. “No Brasil, valores de investimento corporativo em pequenas empresas superaram US$ 640 milhões, bem mais que o valor de 2017, quando foram registrados US$ 360 milhões”, enfatiza James Mawson.

Lista inclui players globais

Entre os exemplos que ilustram o aquecimento dessa cena estão a expansão do empreendedorismo corporativo (corporate venturing) e a multiplicação de startups nos mais variados setores da economia. A lista de grandes investidores no Brasil inclui empresas como Qualcomm, Naspers, SoftBank, Cisco, BASF, Tigre. Gerente de Investimentos da Apex-Brasil, Ricardo Santana destaca que, independentemente do desafio que temos, uma coisa é certa: o Brasil ainda é o quarto principal destino de investimentos no mundo.

Pauta consolidada

“As multinacionais aqui instaladas estão expandindo seus investimentos, e isso é particularmente importante porque cerca de 60% do que se investe no mundo são reinvestimento. Independentemente de quem será o nosso líder, nossa pauta de investimentos esta consolidada. É uma agenda contínua e forte”, reforça Santana, referindo-se à eleição presidencial. Diretor Administrativo do Sillicon Valley Bank, Erik Peña avalia que o Brasil tem uma economia inovadora e um mercado consumidor enorme, o que gera grande interesse das companhias globais.

Modelos para o mundo

“Os modelos de negócios que vemos aqui, sem dúvida alguma, vão se espalhar pelo mundo, inclusive os Estados Unidos”, aposta Peña. Para o gerente do Departamento de Venture Capital e Private Equity Funds do BNDES, quando grandes empresas apoiam startups, os resultados e indicadores de mercados melhoram para ambas as corporações, que ganham em agilidade, inovação, diversificação e fortalecimento de suas atuações no mercado. A Tigre, por exemplo, adquiriu uma startup e criou um braço de atuação em tratamento de água e efluentes.

Executivos trocam grandes...

Adriana Bauer: gratificante executar planos e colher resultados com agilidade. FOTO: Divulgação

A transformação no mercado financeiro está atingindo também o Recursos Humanos das instituições. Adriana Bauer, com mais de dez anos em experiência no ItaúBBA e Citi , na última semana se juntou ao time da fintech Kavod Lending como COO (Chief Operating Officer ou diretora de Operações). "A possibilidade de executar melhorias nos processos do mercado financeiro com menor burocracia me chama a atenção. É gratificante poder liderar a equipe, planejar e executar ações e colher os resultados rapidamente, com agilidade", afirma.

...bancos por fintechs

Sair de instituições financeiras tradicionais e ir para fintechs é o movimento que muitos profissionais têm feito. A Corall, empresa especializada em ajudar organizações e pessoas na jornada de transformação e liberação de potência, aponta que essa movimentação de profissionais entre grandes players e o mercado de pequenas e médias empresas é uma tendência que não é exclusividade do setor financeiro, e que se acentuou nos últimos anos em quase todos os segmentos da economia. "Temos notado um considerável rechaço dos profissionais, principalmente na alta gestão, por empresas de grande porte, por terem mais procedimentos burocráticos, pouco incentivo real ao protagonismo, a inovação e o intraempreendedorismo. Hoje temos mais de 150 clientes e muitos nos contratam justamente para atuarmos em processos de mudança de cultura organizacional, com foco em retenção de talentos", conclui Vicente Gomes, um dos 12 sócios da Corall.

Combate ao desemprego juvenil

A thyssenkrupp Elevadores, líder mundial em desenvolvimento tecnológico para mobilidade urbana, e a Aldeias Infantis SOS, organização humanitária internacional, se uniram em prol de uma causa social: combater o desemprego juvenil, a partir da capacitação profissional de jovens por meio do voluntariado corporativo. A parceria já começa a apresentar resultados, um ano após o lançamento da iniciativa. Hoje, a primeira turma, formada por 30 jovens, entre 15 e 24 anos, recebe o certificado de conclusão do curso que teve duração de seis meses, em cerimônia em Lorena, interior de São Paulo. O evento contará com a presença do CEO da thyssenkrupp Elevator, Andreas Schierenbeck, idealizador do projeto e entusiasta do voluntariado corporativo.  “Nosso negócio é a concepção, produção, comercialização e manutenção de soluções avançadas para a mobilidade urbana, que ajudem a tornar as cidades os melhores lugares para se viver. Mas, isso só acontece com equilíbrio social igualitário que promove qualidade de vida”, afirmou o CEO da thyssenkrupp Elevator.

Por uma nova Ordem

Cerca de cem advogadas se reúnem amanhã (4), em São Paulo, para discutir o papel da mulher no cenário jurídico, além de medidas e ideias para um maior protagonismo feminino dentro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP). A organização do evento é do movimento "Por uma nova Ordem SP", que tem entre seus objetivos principais “devolver a OAB aos advogados e advogadas do Estado de São Paulo e resgatar o protagonismo, apoio e prestígio outrora desfrutados pela entidade perante a sociedade brasileira, baseado sempre na necessidade de gerar e discutir novas ideias”.

Parceria rosa

A Rede D’Or São Luiz e o Corinthians vão entrar em campo juntos na luta contra o câncer de mama. Amanhã (5), durante o clássico contra o Flamengo, 40 mulheres vão dar a volta olímpica na Arena do Timão vestindo uma camisa com os dizeres “Peitos – É isso mesmo, só queremos chamar a sua atenção”. A blusa é parte da campanha da Rede D'Or São Luiz para o Outubro Rosa. Desde 2016, a campanha já atingiu mais de 10 milhões de pessoas em o todo país.