Publicado em

Governos estaduais, que a exemplo dos anos 1990, voltam a Brasília com o “pires” na mão, estão ganhando força junto à equipe econômica do governo Jair Bolsonaro (PSL). Com força de votos na matemática da aprovação da reforma da Previdência, os governadores ouviram ontem, pelo segundo dia consecutivo, promessas de socorro financeiro por parte do ministro da Economia, Paulo Guedes. Ontem, invertendo os papéis e buscando apoio, ele voltou a falar da ajuda aos estados, após almoço com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e informou que o programa de equilíbrio financeiro terá três dimensões.

Afago de ministro

Pelas informações divulgadas até agora pelo ministro, cada governador que apresentar um programa de ajuste terá uma antecipação de recursos. "Porque ele [governador] pegou o carro com o tanque vazio e não adianta ele fazer o sacrifício e entregar depois com o tanque cheio. Então, vamos fazer uma antecipação para ele poder ter recurso", disse o ministro, que busca apoio para fazer andar, na Câmara e no Senado, sua Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que muda as atuais regras da Previdência Social, com pontos polêmicos e impopulares, e corte de direitos sociais.

Garantias serão exigidas

A segunda dimensão do plano, explicou Guedes, está com o BNDES, "que é um plano de tangibilização de ativos". "O estado que tiver ativos e quiser uma antecipação de recursos, vamos fazer mediante contrapartida também de garantias de ativos que o Estado tem", explicou, segundo o Estadão Conteúdo. Outro ponto em estudo é com relação à Lei Kandir. "Tem um plano que chamam de fundo de exportação que também dá uns R$ 2 bilhões por ano e vamos lançar já no ano que vem a transferência de recursos para estados e municípios."

Mais relevante é ...

Para a sócia-diretora da FB Wealth, Daniela Casabona, “simplesmente o ministro Sérgio Moro fazer as pazes com o presidente da Câmara é insuficiente diante do desafio que o governo tem de conseguir um bom número de votos para a aprovação da reforma da Previdência”. Ontem, o ministro da Justiça e Rodrigo Maia (DEM–RJ) se encontraram para uma reunião com a líder do Governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-PR), sinalizando superação de desentendimentos. O que os analistas estão de olho é se Maia e o presidente da República “farão as pazes”.

... aproximação de Maia e Bolsonaro

O economista Pedro Coelho Afonso avalia que o mais importante não é a aproximação de Moro e Maia, mas sim como isso reflete no comportamento do governo. “Acho que além do Moro, é relevante avaliar a aproximação de Maia e Jair Bolsonaro, pois a reforma da Previdência depende muito da articulação do presidente da Câmara e não sabemos ainda como está a relação dos dois. Mas com certeza essa questão do Moro e do Maia pode indicar uma nova reaproximação do governo com o Congresso”, explica o economista.

Mulheres no comando

Estimular mulheres do setor de óleo e gás a alcançar posições de alta administração a partir do desenvolvimento de competências de liderança, é o objetivo do projeto-piloto de  Mentoria de Mulheres da Indústria de Óleo & Gás, que o Comitê de Diversidade do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) acaba de lançar em parceria com a consultoria global Lee Hecht Harrison (LHH), especializada em transição de carreira e desenvolvimento de talentos. Ao todo, serão 17 duplas de executivas-mentoras e mentoradas que passarão por reuniões individuais e os laboratórios, com finalidade de desenvolver as competências das duplas, com uma troca constante de experiências. Segundo Cristina Fortes, diretora da LHH no Rio de Janeiro,  o destaque do programa é a questão colaborativa das diversas empresas do setor de óleo e gás, não dando espaço assim para competição. "O objetivo aqui não é disputar mercado, mas sim fazer com que as mulheres aprendam com experiências umas das outras e consigam alcançar maior representatividade bem como posições no topo da organização", ressalta Cristina.

Militante aos 82 anos


Dalva Christofoletti: na Arena Corinthians, em debate sobre a violência contra a mulher. (Foto: Melissa Saes)

Dalva Christofoletti, de 82 anos e mais de 60 anos na luta pela valorização das mulheres, participa neste domingo (31) do painel “Violência contra a Mulher”, que acontece na Arena Corinthians, na capital paulista. Ela é primeira conselheira mulher da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB), idealizadora do Movimento Mulheres Municipalistas (MMM), entre outras atuações na área. O painel, promovido pelo Corinthians no âmbito do movimento “Respeita as Minas”, também vai contar com a Raquel Gallinati, primeira mulher a ocupar a presidência do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado e a promotora de Justiça conhecida por seu trabalho de combate à violência doméstica, Gabriela Manssur, criadora do blog Justiça de Saia. O debate será mediado por Milene Domingues, ex-atleta do time e embaixadora do futebol feminino do clube.

Tabu da maternidade

“A mulher engravida para segurar o emprego”. “As mulheres podem tomar decisões equivocadas no período da gravidez por conta dos hormônios”. Estas foram algumas declarações encontradas na pesquisa online “Mitos e Verdades do Universo Feminino no Mundo Corporativo”, realizada pelo grupo Mulheres do Varejo (MdV), entre fevereiro e março deste ano, com 107 mulheres e 77 homens do setor. Segundo o grupo MdV, esta constatação é mais que um alerta para que a discussão sobre mundo corporativo versus maternidade seja ainda mais aprofundada e haja uma mudança de mentalidade envolvendo além das empresas também as políticas públicas, como ocorreu no último dia 25, no segundo Encontro Nacional Mulheres do Varejo – Mitos & Verdades do Universo Feminino no Mundo Corporativo, no Espaço Apas, em São Paulo.

R$ 4 milhões de empréstimos

A fintech brasileira Mutual, que viabiliza o empréstimo entre pessoas, conectando quem precisa de dinheiro com quem quer lucrar com a diversificação de investimentos, está em franca expansão. Operando desde fevereiro de 2018, a startup atingiu em março R$ 4 milhões de empréstimos concedidos em sua plataforma, que já conta com 168 mil clientes ativos (32 mil investidores e 136 mil tomadores). Diferente da maioria das fintechs de empréstimo entre pessoas, a Mutual tem foco na simplificação do acesso ao crédito. Do outro lado, de quem quer investir, a plataforma é uma opção bem mais rentável aos investidores com perfis mais arrojados, que buscam diversificar suas carteiras de investimento para obterem retornos muito acima do CDI. A rentabilidade anual pode chegar a 23,5% (ou 400% do CDI), já descontando o risco de inadimplência.

Aventuras e desencontros


Cássio Reis e Carla Diaz: casal revê relacionamento após decidir pela separação. (Foto: Divulgação)

“Em casa a gente conversa”, comédia romântica protagonizada pelo casal de atores Cássio Reis e Carla Diaz, conta as aventuras e desencontros de um casal, já em processo de separação, que revê a sua própria história durante os encontros para definir detalhes do divórcio, criando sequências hilárias. Malu e Carlos Alberto, aos olhos de muitas pessoas, formam um casal perfeito, daqueles de comercial de margarina. Mas eles vivem na vida real e enfrentam todas as alegrias e agruras de um jovem casal. Com a maior sinceridade abrem suas vidas com humor, contrapontos e riqueza de detalhes. Com texto de Fernando Duarte e Tatá Lopes, o espetáculo já passou por treze cidades brasileiras e chega em cinco de abril  em São Paulo, para uma curta  temporada no Teatro Morumbi Shopping.

PLANO DE VOO