Publicado em

O total de R$ 1 bilhão que seriam destinados a uma fundação ligada à força tarefa da Lava Jato no Paraná, conforme acordo firmado entre a operação e o governo dos Estados Unidos, servirão para financiar ações de preservação do meio ambiente, sobretudo a Floresta Amazônica. A procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, e o advogado-geral da União, André Mendonça, informaram, ontem, ter chegado a um acordo junto ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para que R$ 1 bilhão oriundo da Petrobras seja destinado a ações de preservação do meio ambiente, sobretudo a Floresta Amazônica.

Acordo entre STF, Dodge e AGU

No final da tarde, o ministro Alexandre de Moraes confirmou a informação sobre a destinação dos recursos, de acordo com a Agência Brasil. Também participaram o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Desses R$ 1 bilhão, ao menos R$ 400 milhões devem ser repassados aos Estados da região amazônica. “Haverá da parte do governo federal uma transferência dessa ordem. A defesa da Amazônia é muito importante e ela agora conta com recursos que irão para a área da agricultura”, disse Dodge.

Recursos de punição à corrupção

Moraes é o relator de uma ação que trata da destinação de mais de R$ 2,5 bilhões que a Petrobras se comprometeu a repassar às autoridades brasileiras após um acordo com o governo dos Estados Unidos. A quantia é referente a punições por prejuízos causados a investidores estrangeiros em decorrência dos casos de corrupção investigados na Lava Jato. O valor se encontra bloqueado, em uma conta na Caixa Econômica Federal, por força de uma liminar (decisão provisória) do ministro Alexandre de Moraes, proferida em março a pedido da própria PGR. 

Dinheiro mudou de destinação

A princípio, os recursos seriam destinados a uma fundação ligada à força tarefa da Lava Jato no Paraná – e articulada pelo coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol – conforme acordo firmado entre a operação e o governo dos EUA, mas Moraes considerou que tal destinação seria ilegal, após ter sido acionado pela PGR. A PGR defendia que toda a quantia fosse destinada à União, para ser aplicada nas áreas de educação e ciência, mas após o avanço das queimadas na Amazônia neste ano, ela solicitou que parte do dinheiro fosse destinado ao meio ambiente.

Investimento em SP

A Oi investiu mais de R$ 82 milhões em São Paulo no primeiro semestre de 2019, um aumento de 33% em relação ao mesmo período do ano anterior. A Oi oferece cobertura 4G em 106 cidades paulistas. A estratégia é ampliar o número de cidades com acesso à Oi Fibra, levando o seu serviço de internet de alta velocidade a 68 cidades no país. Lançada em 2018, a Oi Fibra conquistou, até julho, 291 mil clientes e chegou a 2,8 milhões de casas (Homes passeds – HPs). A meta é encerrar 2019 com fibra passada em 4,6 milhões de casas, e 16 milhões até 2021.

Diálise que vai ao paciente...

Legenda: Diretor de Política Governamental e Reembolso para a América Latina, Igor Zanetti: meta de ampliar ainda mais a presença da Baxter no mercado brasileiro. Foto: Divulgação.

Presente em mais de 100 países, inclusive no Brasil há 60 anos e com uma fábrica, a norte-americana Baxter - empresa de saúde com portfólio de equipamentos médicos e produtos farmacêuticos e referência em diálise peritoneal - quer elevar dos atuais 6% para 20%, em dois anos, a média de portadores de deficiência renal tratados com essa alternativa à hemodiálise tradicional realizada exclusivamente em clínicas. O Brasil está muito abaixo da média mundial, de 13%. Na Argentina e Colômbia, nossos vizinhos, essa média é bem superior, de 20% e 40%, respectivamente. Diretor de Política Governamental e Reembolso para a América Latina, Igor Zanetti explica que embora o Ministério da Saúde tenha editado uma portaria em 2014 estabelecendo a meta de tratar 20% dos pacientes renais com diálise peritoneal, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o país até recuou por causa do conflito de interesses entre as cerca de 700 clínicas privadas de hemodiálise e a medida.

...ainda é inexpressiva por aqui 

“Um país de dimensão continental como o Brasil, com concentração das clínicas de hemodiálise no Sudeste e Sul e filas de pacientes renais para serem atendidos, deveria priorizar um tratamento feito em casa, em qualquer lugar do interior, com segurança e cada vez mais inovação que permite o monitoramento remoto da terapia”, enfatiza o executivo. Dos cerca de 120 mil pacientes em diálise no Brasil, apenas em torno de 9 mil são tratados com diálise peritoneal. “O equipamento e materiais para a peritoneal chegam a qualquer lugar do Brasil pelos Correios, já parte dos pacientes não consegue chegar às clínicas”, comenta Zanetti. Segundo ele, o governo baixou a portaria mas não criou as condições para implementar a medida e atingir a meta. “Estatísticas mostram que 50% da população brasileira tem alguma deficiência renal e a população está envelhecendo. O desafio já está criado”, conclui.

BIP compra a FBM Consultoria   

A consultoria multinacional Bip (Business Integration Partners),  há 9 anos no mercado nacional, fechou  nesta quinta-feira (05/09) a compra da  consultoria brasileira de serviços para clientes do setor financeiro, FBM Consultoria. O valor da operação não foi revelado. Com a  aquisição, a multinacional passa  a contar com 400 consultores no Brasil e se torna a segunda maior operação global, com mais de 15% da equipe mundial. A meta da BIP é aumentar seu faturamento no Brasil em 30% e contratar 100 novos profissionais no próximo ano. No Brasil, a Bip atua em projetos estratégicos e de transformação para grandes empresas, principalmente nos setores de Energia, Óleo e Gás, Utilities, Telecomunicações, Varejo, Bens de consumo e Agronegócios. Em 2019, a empresa venceu o processo licitatório da Petrobras, em concorrência com as principais consultorias globais, para suportar o projeto corporativo de transformação digital da empresa ao longo dos próximos três anos. O movimento de expansão da Bip no Brasil está alinhado com a estratégia de crescimento da consultoria global, com previsão de centenas de contratações na Europa e mais de 100 milhões de euros de investimentos na aquisição de empresas de consultoria.

O dobro do Ibovespa

Mesmo com a volatilidade do Ibovespa, médicos vêm obtendo sucesso na diversificação de investimentos em renda variável. A Doc Concierge, primeira empresa de serviços financeiros voltada exclusivamente para profissionais da saúde, lançou um clube de investimentos que aplica 70% do patrimônio em renda variável. “Gerimos esses recursos, analisamos as melhores opções de investimentos, traçamos estratégias macroeconômicas para entender o cenário nacional e global e, por fim, buscamos por empresas com boa rentabilidade, boa gestão e principalmente que estão fora do radar dos formadores de preço que tumultuam o mercado financeiro. Como resultado, no ano de 2019 até agosto, estamos com mais que o dobro da rentabilidade do Ibovespa (31,03%), que subiu 15,1% no período”, afirma Erico Melhado, sócio e diretor da Doc Concierge. Com apenas nove meses de operação, o clube formado por médicos que desejavam diversificar seu patrimônio, mas não dispunham de tempo para fazer a gestão ativa dos recursos, já está abrindo o segundo clube, pois o primeiro atingiu a capacidade máxima de cotistas. Hoje a Doc Concierge tem sob sua assessoria mais de R$ 110 milhões e cresce mês a mês

Aposta no e-commerce

Na Semana do Brasil, nova proposta do governo para estimular o comércio nacional no mês de setembro, a Sony aposta em ações no varejo digital.  A companhia prepara ofertas de produtos exclusivos da coleção Sony Store, voltada para consumidores do mercado de eletrônicos. Entre as oportunidades, está a premiada linha de headphones noise-cancelling. De acordo com o gerente de e-commerce da Sony, Bruno Baptistão, “apesar de setembro não ser um período tradicional de promoções no mercado e da iniciativa ainda não ser muito conhecida pelos consumidores brasileiros, a companhia espera um aumento médio de 10% em relação as vendas regulares do período.” Similar a Black Friday e inspirada no governo norte-americano, a Semana do Brasil, iniciada no próximo 06 de setembro e foi pensada para suprir a ausência de uma data comercial no mês da comemoração da Independência.

Cultura da inovação

Como quebrar os paradigmas para criar uma cultura de inovação? Esse é um grande desafio e é a principal reflexão que vamos compartilhar durante o HackTown 2019, que acontece de 5 a 8 de setembro, em Santa Rita do Sapucaí (MG). Um dos palestrantes é o sócio fundador da fintech Toro Investimentos, Gabriel Kallas, que levará ao evento uma discussão que está cada vez mais em voga entre startups e empresas tradicionais. Com a palestra “Cultura: a origem da inovação”, o empreendedor vai dividir as experiências que adquiriu desde os 16 anos, idade em que começou a empreender, para engajar e estimular os participantes a buscarem o que gera valor a cliente e empresas. “A Toro iniciou um movimento de repensar a forma de investir. Fomos a primeira corretora a lançar uma plataforma que dispensa o home broker para operar na Bolsa, e isso nos mostrou um terreno fértil de oportunidades para pensar em mais melhorias para simplificar os processos”, explica o executivo.

Cafés especiais e mais fortes

Legenda: Novos produtos e mudanças na identidade visual miram o consumidor tipicamente brasileiro. Foto: Divulgação.

O Octavio Café aproveita o lançamento de novos produtos para apresentar também a nova identidade visual. Com o objetivo de ampliar a oferta de opções aos consumidores e se aproximar ainda mais do paladar do brasileiro, a marca está colocando no mercado o café intenso nas versões em grãos, torrado e moído e cápsula. A nova cápsula tem intensidade 11 por conta da torra escura. Outra novidade é o descafeinado, também nas versões em grãos e torrado e moído. A linha de cápsulas teve leves alterações em seus perfis de torra, baseados nos resultados de pesquisas feitas com consumidores dos produtos da marca. Dessa forma, o Octavio Café expande seu portfólio de produtos e reforça ainda mais seu posicionamento de referência em cafés especiais. O logo do Octavio agora está mais robusto e a embalagem tem a textura de folhas de café. Para Isabela Caper, gerente de comunicação e marketing do Octavio Café, essas novidades vêm para aumentar o atendimento ao gosto dos consumidores. “Nossa estratégia ao lançar o café intenso é dar mais opções aos consumidores e trazê-los para mais perto da marca. Além disso, queremos atingir aquele público tipicamente brasileiro, que costuma ter preferência por cafés mais fortes, além do descafeinado, que é um nicho específico”, afirma a executiva.

Liliana Lavoratti é editora de Fechamento - liliana@dci.com.br