Publicado em

A Receita Federal do Brasil está apertando o cerco aos contribuintes. Ontem, o governo anunciou que a Receita Federal já identificou sete mil contribuintes que serão fiscalizados por sonegação no primeiro semestre de 2019, e que as autuações às chamadas pessoas politicamente expostas somam R$ 405 milhões entre 2012 e 2018. Esse grupo inclui políticos, ministros, magistrados e parentes e é acompanhado de forma diferenciada pela Receita Federal, como ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com o Estadão Conteúdo. Nesse período, o montante de autuações envolvendo agentes públicos chegou a R$ 1,7 bilhão.

Politicamente expostos na mira

No início do ano, uma investigação envolvendo o nome do ministro do STF, Gilmar Mendes, vazou e levou o tribunal a enviar ofícios ao ministro da Economia e ao secretário da Receita sobre o assunto. Neste ano, houve também uma tentativa de acessar dados do presidente Jair Bolsonaro (PSL) por servidores não autorizados. O subsecretário de Fiscalização, Iágaro Martis, negou que esse tipo de ação restrinja o trabalho dos auditores. “Todas as pessoas – ministros, parlamentares, presidente da República ou auditores fiscais, ninguém está fora de ser fiscalizado pela Receita.”

‘Sem foro privilegiado’

Após enfatizar que “os trabalhos continuam, não tem foro privilegiado para a Receita Federal”, Martins reforçou que o órgão não compactua com vazamentos. “O vazamento que ocorreu em relação ao ministro do STF é profundamente censurável. Houve sequência de falhas, já abrimos procedimento na corregedoria, prestamos informações ao STF ao Tribunal de Contas da União (TCU)”, disse. “Isso não altera em nada os trabalhos que estão sendo executados, não imagino que essa tenha sido a intenção do ministro Gilmar Mendes”, acrescentou.

R$ 165 bilhões sonegados

Os sete mil contribuintes que serão fiscalizados por sonegação ainda neste primeiro semestre do ano pertencem aos segmentos de cigarros, bebidas e combustíveis. A previsão da Receita é recuperar R$ 164,96 bilhões em tributos. “No caso do cigarro porque tem tributação alta e [com isso] há incentivo para o produto ilegal. Há evasão no setor de bebidas açucaradas, principalmente. E no setor de combustíveis, o biodiesel e o etanol”, disse o subsecretário de Fiscalização, Iágaro Jung Martins. A Receita também continuará a atuar com foco na Lava Jato, Zelotes e Calicute.

Lava Jato incluída

De acordo com a Receita, desde 2012, quando foram iniciadas as fiscalizações, as atuações relacionadas à Lava Jato somam R$ 24 bilhões. Desse total, R$ 9,6 bilhões ingressaram nos cofres públicos ou foram parcelados. "Há uma tendência de redução [nos lançamentos de tributos sonegados] porque a operação está se encerrando do ponto de vista tributário", disse Martins. A Receita continuará a fiscalizar 25 mil contribuintes que aderiram ao programa de repatriação de recursos do exterior. Já foram identificadas 263 pessoas que deverão prestar esclarecimentos ao Fisco.

Gastronomia para jovens (I)

Lucas Brito está entre os jovens capacitados pelo projeto Chef Aprendiz. (Foto: Divulgação)

O projeto Chef Aprendiz, iniciado em 2015, capacita jovens das periferias de São Paulo para ingressarem no mercado de trabalho de gastronomia. Se atingir a meta de R$ 25.000,00 no financiamento coletivo, o projeto vai atender a partir de maio, 20 jovens da região do Capão Redondo, bairro pobre da capital paulista, com aulas teóricas e práticas. O encerramento tem uma competição final, ao estilo Masterchef, e os jurados presentes oferecem vagas de empregos para os jovens que querem iniciar uma carreira como auxiliar de cozinha.

Gastronomia para jovens (II)

“O objetivo é promover desenvolvimento humano e inserção social desses jovens, usando a gastronomia como ferramenta”, explica Beatriz Mansberger, idealizadora do projeto. “São cinco meses que, além de aulas diretamente relacionadas ao mercado gastronômico, os jovens têm dinâmicas de autoconhecimento, oficinas de mindfullness, educação financeira dentre outras aulas que enxergam esses jovens como um todo”, completa. O projeto já beneficiou 74 jovens das comunidades de Paraisópolis, Campo Limpo, Glicério, Jardim Colombo e Valo Velho. Pela primeira vez o Chef Aprendiz conta com um patrocinador, a Comgás.

Vamos de ônibus

Com o aumento de 14% preços médios de passagens aéreas para as rotas nacionais operadas pela Avianca após o anúncio dos primeiros cancelamentos de voos da companhia, cresceu a busca dos brasileiros por viagens de ônibus. De acordo com o KAYAK, uma das maiores ferramentas de planejamento de viagens do mundo, o volume de buscas, comparando-se os 15 dias antes dos primeiros anúncios de cancelamento de voos com os 15 dias seguintes, aumentou 40%, o que sugere que brasileiros estão buscando alternativas. “Nos próximos meses é provável que os preços de passagens nacionais oscilem bastante. Os preços médios devem estar mais caros em função dos cancelamentos da Avianca – o que faz com que o planejamento da viagem ganhe ainda mais importância. Pesquisar passagens nacionais com quatro a cinco semanas de antecedência da data da viagem pode garantir uma economia de até 20% em seu valor. Evitar horários de pico de voos, como sexta de manhã e domingo à noite, em que a demanda é alta, também é uma medida importante”, afirma Eduardo Fleury, Líder de Operações do KAYAK no Brasil.

Proteção de dados

O escritório Tess Advogados, de São Paulo, promove nesta quarta-feira (8), em parceria com o escritório Shipman & Goodwin, dos Estados Unidos, uma web conferência sobre a privacidade e de como os dois países lidam com a proteção de dados, incluindo o escopo da nova Lei Geral de Proteção de Dados e uma análise de tendências globais no Brasil e nos Estados Unidos. A nova Lei Geral de Proteção de Dados brasileira começa a valer 2020. As empresas hoje coletam, transferem e armazenam grande volume de dados diariamente. Estes registros frequentemente contêm vasta quantidade de informações sensíveis e pessoais que, se perdidas ou mal utilizadas, podem resultar risco significante aos negócios. Para prosperar no ambiente moderno, o mercado precisa saber como utilizar, proteger e transferir seus dados de maneira eficiente e adequada.

Mistura bem dosada de Donatinho

Donatinho, com dois discos contemplados com o prêmio de melhor álbum do ano pelo Prêmio da Música Brasileira, faz tributo a Herbie Hancock no Blue Note de São Paulo. (Foto: Divulgação)

Autodidata, o músico carioca Donatinho, 34 anos, começou a catar notas no piano aos nove anos de idade, confirmando a natural influência do pai, o pianista, compositor e arranjador João Donato. Além dos sons brasileiros que sempre o acompanharam, Donatinho incorporou referências da black music e do jazz, ouvindo Stevie Wonder, Stan Kenton, James Brown, Michael Jackson, Miles Davis e principalmente Herbie Hancock. Aos 14 anos, quando ouviu pela primeira vez o disco Head Hunters de Hancock, ficou encantado pela sonoridade dos pianos elétricos e sintetizadores, instrumentos que começou a colecionar e que hoje fazem parte de seu acervo no seu estúdio Synth Love. No próximo dia 22 de maio, em show no Blue Note de São Paulo, às 20h, Donatinho mostrará a fase funk dos anos 70 e 80 de Herbie, tocando clássicos como Chameleon, Butterfly e até mesmo versões desconhecidas para Cantaloupe Island e Watermelon Man. O mesmo show será apresentando também em 19 de junho.

 

Liliana Lavoratti é editora de Fechamento - liliana@dci.com.br